fbpx
18 de setembro de 2021

Instrumento MUSE Investiga o Misterioso Centro da Galáxia M83

Usando o instrumento MUSE (Multi Unit Spectroscopic Explorer), que fica acoplado ao VLT do ESO no Observatório do Paranal, no Chile, os astrônomos fizeram imagens de regiões brilhantes de formação de estrelas na parte central da galáxia espiral barrada, Messier 83.

A Messier 83 está localizada a cerca de 15 milhões de anos-luz de distância da Terra na direção da constelação do céu do hemisfério sul do planeta de Hydra. Essa galáxia foi descoberta pelo astrônomo francês Nicolas Louis de Lacaille em 23 de fevereiro de 1752.

Ela tem uma magnitude aparente de 7.5 e é uma das galáxias espirais mais brilhantes do céu noturno. Ela pode ser observada com um par de binóculos. Ela também é conhecida como a Galáxia do Cata-Vento do Sul, ou M83, ou NGC 5236, ou LEDA 48082, ou ainda UGCA 366 e ela tem cerca de metade do tamanho da Via Láctea.

A galáxia faz parte de um membro ou grupo de galáxias conhecido como Grupo Centaurus A/M83, que também tem como um membros de destaque, a NGC 5128, também conhecida como Centaurus A, e a galáxia irregular NGC 5253.

O centro da Messier 83 é misterioso e incomum, e abriga um núcleo duplo. Isso não significa que a galáxia possui dois buracos negros supermassivos centrais, mas que tem um único buraco negro supermassivo que pode ter um anel de estrelas, que orbitam o buraco negro e dão a impressão de se ter um núcleo duplo.

A galáxia é o local de muitas explosões de supernovas e é conhecida como sendo um local de uma vigorosa formação de estrelas. Com as condições ideais e normalmente dentro dos braços espirais de uma galáxia, as nuvens moleculares frias, compostas na sua maioria pelo gás hidrogênio podem colapsar e formar novas estrelas. Em nuvens maiores, a formação de uma nova estrela pode criar um efeito dominó, iniciando o colapso do gás ao redor e formando ainda mais estrelas.
Dentro do centro da galáxia, contudo, outros processos acontecem. O buraco negro supermassivo no centro da M83 afunila em vastos canais o material e a matéria em sua direção.

No mesmo momento, ele, de forma errática espalha matéria e uma grande quantidade de energia para fora, fazendo com que a formação de estrelas ao redor da região central da galáxia seja ainda mais confusa.

Fonte:

[http://www.sci-news.com/astronomy/muse-star-formation-messier-83-09078.html]

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo