fbpx
30 de novembro de 2021

IMAGEM DO HUBBLE MOSTRA O BORISOV NO PERIÉLIO | SPACE TODAY TV EP2050

OUÇA O PODCAST HORIZONTE DE EVENTOS:

https://open.spotify.com/show/5wbMV0BVAYW07V7UFOeGF1

https://soundcloud.com/user-956768544/horizonte-de-eventos-episodio-6-vikram-e-encontrado-na-lua

————————————————————————————————————

SPACE TODAY STORE:

https://spacetodaystore.com

————————————————————————————————————

ENTRE NO CANAL DO SPACE TODAY NO TELEGRAM:

https://t.me/canalspacetoday

————————————————————————————————————

Chegou Dezembro de 2019 e com a chegada desse mês, chegou o momento de voltarmos a falar do cometa interestelar, o 2I/Borisov.

Eu avisei, que teríamos novidades e temos.

Só para lembrar, no dia 30 de Agosto de 2019, o astrônomo Gennady Borisov descobriu o cometa que semanas depois foi confirmado como tendo uma origem interestelar.

Após esse anúncio, os maiores telescópios do mundo foram apontados para o cometa para iniciarmos os estudos, e tudo que foi publicado até o momento sobre o Borisov você encontra numa playlist aqui no canal.

Entre os instrumentos que estudou, estuda e ainda irá estudar muito o Borisov, está, obviamente o telescópio espacial Hubble.

Em Outubro de 2019 ele fez uma imagem do cometa, quando ele estava a uma distância de 326 milhões de quilômetros da Terra.

Então, no dia 8 de Dezembro de 2019, o cometa 2I/Borisov fez sua passagem mais próxima do Sol, e o Hubble estava ali, de olhos abertos para registrar o cometa, e conseguiu então fazer a imagem.

Nesse momento, o cometa estava a 298 milhões de quilômetros da Terra, perto da borda mais interna do cinturão de asteroides.

O Borisov viaja a uma velocidade de 175 mil km/h o que o torna um dos cometas mais rápidos já registrados.

A imagem do Hubble feita durante o periélio mostrou que o núcleo do cometa é cerca de 15 vezes menor do que se estimava no começo tendo menos de 500 metros.

O núcleo é muito pequeno para ser resolvido na imagem, o que a gente pode ver no centro é o que chamamos de coma que é como se fosse uma atmosfera do cometa, e podemos ver também a cauda e como vocês já sabem a cauda de um cometa pode ter centenas de milhares de quilômetros.

Essas medidas são fundamentais para que os astrônomos possam estudar a quantidade total e a massa de objetos parecidos no Sistema Solar e na Via Láctea.

De acordo com os astrônomos devem existir milhares de objetos parecidos com o Borisov mas que são muito apagados para serem descobertos com a tecnologia de observação atual.

No final do mês de Dezembro de 2019, o cometa Borisov irá fazer sua maior aproximação com a Terra, passando a cerca de 290 milhões de km, e poderá ser estudado até aproximadamente meados do ano de 2020.

Depois disso, quando ele passar por Júpiter, já pegará o seu rumo de volta para o espaço interestelar.

Aguardem, pois o mês de Dezembro promete muitos vídeos e muitas informações sobre o cometa 2I/Borisov, vamos entender tudo sobre esse inesperado visitante das estrelas.

Fonte:

https://www.spacetelescope.org/news/heic1922/

#Hubble #Borisov #SpaceToday

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo