fbpx
27 de fevereiro de 2024

Imagem da Lua Mostra Domo na Região do Mare Australe


Longe no limbo sudeste da Lua está o Mare Australe, uma coleção de crateras sem anel preenchidas com material de mar e com retalhos de mares que são todos restos de uma antiga bacia de impacto. As feições no Mare Australe aparecem muito esmagadas pelo encurtamento para serem bem estudadas da Terra, até agora. A imagem acima mostra uma resolução notavelmente alta, uma visão com o Sol baixo da Lyot, a maior cratera dentro do Mare Australe. Uma imagem com o Sol alto foi feita pela sonda Clementine e mostra o quadrante noroeste da cratera Lyot, que é composto por mar escuro e o resto é mais velho e talvez empoeirado pelo material ejetado das terras altas. Na imagem acima esta diferença é indicado pelo maior número de crateras e maior rugosidade da parte sul do interior. Algumas cadeias de mares e uma cratera fantasma são visíveis no interior, mas o mais interessante e aparente desconhecido é a presença de um grande domo na parte terminal norte do interior. Seu diâmetro é de 13 km – medido a partir do comprimento de 38 km da Lyot A, a cratera brilhante no canto superior esquerdo da imagem. A existência desse domo é interessante porque o Mare Australe, apesar de sua abundância de material de mar teve poucas erupções vulcânicas, poucos acidentes geográficos, como os domos, canais sinuosos e crateras vulcânicas de halo escuro. Mas ao pesquisar esse domo você poderá descobrir outros além de uma ondulação em outra parte da Australe.

Fonte:

http://www.lpod.org/?m=20070108


Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo