Gelo Nas Crateras Egonu e Monk em Mercúrio

EW0219648898G.web


observatory_150105Encontrar evidências de gelo de água no planeta mais próximo do Sol, foi, sem dúvida alguma, uma descoberta surpreendente, mas ainda existe mais para aprender sobre os depósitos de gelo. Regiões que estão permanentemente na sombra parecem ser um requerimento para o gelo de água residir no planeta mais interno do Sistema Solar, assim, a grande maioria dos depósitos de gelo de água de Mercúrio estão localizados dentro das crateas de impacto nas altas latitudes. As duas crateras mostradas nessa imagem, a Egonu e a Monk, parecem ter áreas de sombra permanente e depósitos brilhantes de radar (mostrados em amarelo) que estão associados com gelo de água. Contudo, essas crateras, estão localizadas a grandes distâncias do polo de Mercúrio, na latitude de 66 graus ou inferior. Por quanto tempo o gelo pode permanecer nessas crateras? Essa é apenas uma das interessantes questões sobre os depósitos de gelo de água de Mercúrio que ainda precisam ser investigadas.

A imagem acima foi adquirida como parte da confecção do mapa base morfológico de alta resolução da superfície com o instrumento MDIS. O mapa base morfológico de superfície cobre mais de 99% da superfície de Mercúrio com uma resolução média de 200 metros por pixel. As imagens adquiridas para o mapa base morfológico de superfície, normalmente são obtidas com o Sol, fora do ângulo vertical (ou seja, com altos ângulos de incidência) e tem sombras visíveis que podem claramente revelar a forma topográfica das feições geológicas.

Fonte:

http://messenger.jhuapl.edu/gallery/sciencePhotos/image.php?page=1&gallery_id=2&image_id=1369


alma_modificado_rodape105

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo