fbpx
24 de fevereiro de 2024

ENCONTRADO NA ITÁLIA O MAPA CELESTE MAIS ANTIGO DA HUMANIDADE

ASSINE AGORA O SPACE TODAY PLUS PREMIUM, APENAS R$29,00 POR MÊS, MENOS DE 1 REAL POR DIA!!! https://spacetodayplus.com.br/premium/ Um astrônomo do INAF de Trieste, Paolo Molaro , e um arqueólogo da Universidade de Trieste, , a revista de astronomia mais…

ASSINE AGORA O SPACE TODAY PLUS PREMIUM, APENAS R$29,00 POR MÊS, MENOS DE 1 REAL POR DIA!!!

https://spacetodayplus.com.br/premium/

Um astrônomo do INAF de Trieste, Paolo Molaro , e um arqueólogo da Universidade de Trieste, , a revista de astronomia mais antiga ainda ativa no mundo.Astronomische Nachrichtenpublicado no mês passado naum artigoque perceberam isso e relataram a hipótese sugestiva em Federico Bernardini .

«Há cerca de dois anos fui contactado por Federico Bernardini, que não conhecia, dizendo-me que precisava de um astrónomo», recorda Molaro à Media Inaf , «porque parecia ter identificado a constelação de Escorpião numa pedra do Cársico. Minha primeira reação foi de incredulidade, visto que a parte sul de Scorpius está logo acima do horizonte em nossas latitudes. Mas então, descobrindo que a precessão dos equinócios a elevava em cerca de 10-12 graus e a impressionante coincidência com a constelação, comecei a me aprofundar na questão… Então identifiquei Órion, as Plêiades e, ao fundo, Cassiopéia. Todos os pontos presentes, exceto um.”

Os sinais identificados por Molaro e Bernardini são 29 no total: 24 de um lado da pedra e 5 do outro. Estão distribuídos de forma irregular, mas todos têm uma orientação comum, como se tivessem sido gravados pela mesma pessoa. Uma pessoa armada com um martelo e um rudimentar cinzel de metal com ponta de 6 a 7 mm, sugerem as análises dos dois cientistas. Sublinhando que “uma arma do crime” compatível com aqueles 29 sinais – um instrumento de bronze – foi encontrada a poucos quilómetros de distância, no Castelliere di Elleri, e hoje se encontra preservada no Museu Arqueológico de Muggia.

Em suma, todas as pistas parecem concordar: esses sinais não são obra da natureza e não existem por acaso. Alguém os gravou. E ele os gravou há pelo menos 2.400 anos. Quando o Castelliere di Rupinpiccolo ainda cumpria a sua tarefa de fortificação. E quando as estrelas de Escorpião ainda brilhavam no horizonte, conforme reconstruído por Molaro. Uma estrela em particular: Sargas. Também chamada de Theta Scorpii, hoje Sargas não é mais visível do Castelliere, estando muito baixo em relação ao horizonte, mas foi em 1800 a.C., como o próprio Molaro calculou simulando o céu noturno da época acima de Rupinpiccolo com o programa Stellarium E também foi assim em 400 AC.

Mas vamos aos 29 sinais. Todos, exceto um, são sobrepostos às estrelas de Escorpião, Órion, Plêiades e provavelmente – considerando também os 5 signos no verso da pedra – Cassiopeia. E é uma sobreposição com significância estatística muito elevada, especificam os autores: o valor p é muito inferior a 0,001. Por outras palavras, é altamente improvável que a disposição desses sinais tenha sido puramente o resultado do acaso. Não só isso: os desvios das verdadeiras posições são da ordem do tamanho dos sinais, demonstrando considerável cuidado na execução.

Todos, exceto um, dissemos. Mas o 29º sinal também pode estar ali de propósito. O intruso poderia de facto representar uma supernova, propõem os autores. Ou a chamada “supernova fracassada”. Então, um daqueles objetos que os astrônomos chamam de transientes : em determinado momento eles aparecem e depois desaparecem novamente. Se fosse esse o caso, sugerem Molaro e Bernardini, poderia haver um buraco negro naquele ponto do céu hoje. Portanto, pode valer a pena tentar localizar seus vestígios.

As questões que o estudo deixa em aberto são muitas e sugestivas. Quem poderia ter gravado aquela pedra? Quem eram os habitantes de Castelliere nesse período? Sabe-se que eles não sabiam escrever, mas ainda há muito a descobrir sobre eles. E finalmente: este é o mapa celestial mais antigo já descoberto?

A representação mais antiga do céu noturno conhecida hoje é provavelmente o disco de Nebra , um artefato de bronze com aplicações de ouro para indicar o Sol, a Lua e as Plêiades: vindo da Alemanha, é datado de cerca de 1600 a.C.. Mas não é um mapa real. : é mais uma representação simbólica. Para mapas “fiéis” é necessário esperar até o século I a.C., época dos mapas provavelmente derivada do catálogo de Hypparcos , datando de 135 a.C.

FONTES:

https://www.media.inaf.it/2023/12/22/mappa-celeste-rupinpiccolo/

https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1002/asna.20220108

#ITALY #EARTH #MAP

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo