fbpx
24 de fevereiro de 2024

Descobrindo Um Cinturão de Dióxido de Carbono Não Esperado Nos Dados


Quando os cientistas deram a primeira olhada nos dados de satélite que mostravam a distribuição de dióxido de carbono através da atmosfera, eles em parte viram o que esperavam, ou seja, uma distribuição dos gases de efeito estufa sobre o globo terrestre, com níveis maiores nas regiões mais povoadas, e nas regiões mais industrializadas do hemisfério norte. Mas eles também observaram uma feição dominante até então não esperada. Um cinturão continuo de altos níveis de concentração de dióxido de carbono circulando uma área do hemisfério sul cobrindo a ponta da América do Sul, a África e a Austrália. Modelos computacionais que predizem como os elementos químicos se movem através da atmosfera não foram capaz de prever essa faixa. Os cientistas agora pensam que forte tempestades e ventos que fluíram ao redor das altas montanhas andinas da América do Sul levantaram o dióxido de carbono para a chamada troposfera livre. Ele então ficou aprisionado no jato de corrente de latitudes intermediárias o que fez com que se movessem ao redor do mundo. As fontes desse cinturão podem ser muitas: indústrias e plantas de energia ricas em carvão na África do Sul, a geração de energia no leste da Austrália e em Buenos Aires na Argentina, bem como a respiração das plantas e os incêndios. Nas imagens aqui reproduzidas é possível ver a primeira evidência que os cientistas tiveram desse cinturão, quando ele foi detectado pelo Atmospheric Infrared Sounder, ou AIRS, um instrumento que viaja a bordo do satélite Aqua da NASA em 2003. O AIRS fornece agora para os cientistas dados globais sem precedentes sobre a distribuição global dos gases do efeito estufa na atmosfera da Terra.

Fonte:

http://svs.gsfc.nasa.gov/vis/a010000/a010800/a010854/


Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo