fbpx

Colisão “Cataclísmica” Causou o Giro Incomum do Planeta Urano

 

Por Ned Oliveira

Urano foi atingido por um objeto massivo com aproximadamente o dobro do tamanho da Terra que causou a inclinação do planeta e poderia explicar suas temperaturas congelantes, de acordo com uma nova pesquisa.

Astrônomos da Universidade de Durham, no Reino Unido, lideraram uma equipe internacional de especialistas para investigar como Urano ficou inclinado para o lado e que conseqüências teria um impacto gigantesco na evolução do planeta.

A equipe realizou as primeiras simulações em computador de alta resolução de diferentes colisões massivas com o gigante do gelo para tentar descobrir como o planeta evoluiu.

A pesquisa confirma um estudo anterior que disse que a posição inclinada de Urano foi causada por uma colisão com um objeto massivo, (provavelmente um protoplaneta feito de rocha e gelo) durante a formação do sistema solar, cerca de 4 bilhões de anos atrás.

As simulações também sugeriram que os detritos do impactor poderiam formar uma casca fina perto da borda da camada de gelo do planeta e prender o calor que emana do núcleo de Urano. O aprisionamento desse calor interno pode em parte ajudar a explicar a temperatura extremamente fria de Urano na atmosfera externa do planeta (-216 graus Celsius), disseram os pesquisadores.

Autor principal Jacob Kegerreis, Ph.D. Pesquisador do Instituto Durham da Universidade de Cosmologia Computacional, disse: “Urano gira de lado, com o seu eixo apontando quase em ângulo reto aos de todos os outros planetas do Sistema Solar. Isso foi quase certamente causado por um impacto gigante, mas nós sabemos muito pouco sobre como isso realmente aconteceu e de que outra forma um evento tão violento afetou o planeta.

“Corremos mais de 50 cenários diferentes de impacto usando um super computador de alta potência para ver se poderíamos recriar as condições que moldaram a evolução do planeta”.

“Nossas descobertas confirmam que o resultado mais provável foi que o jovem Urano estava envolvido em uma colisão cataclísmica com um objeto duas vezes maior que a massa da Terra, ou maior que isso, colocando-o de lado e definindo os eventos que ajudaram a criar o planeta que nós vemos hoje “.

Houve um ponto de interrogação sobre como Urano conseguiu manter sua atmosfera após uma colisão violenta na qual poderia ter sido enviada para o espaço.

De acordo com as simulações, isso provavelmente pode ser explicado pelo impacto do objeto que atingiu o planeta. A colisão foi forte o suficiente para afetar a inclinação de Urano, mas o planeta conseguiu reter a maior parte de sua atmosfera.

A pesquisa também poderia ajudar a explicar a formação dos anéis e luas de Urano, com as simulações sugerindo que o impacto poderia lançar pedras e gelo em órbita ao redor do planeta. Essa rocha e gelo poderiam ter se aglomerado para formar os satélites internos do planeta e, talvez, alterado a rotação de quaisquer satélites naturais pré-existentes que já orbitavam Urano.

As simulações mostram que o impacto poderia ter criado gelo derretido e pedaços de rocha dentro do planeta. Isso poderia ajudar a explicar o campo magnético inclinado e fora do centro de Urano.

Urano é semelhante ao tipo mais comum de exoplanetas (planetas encontrados fora do nosso Sistema Solar) e os pesquisadores esperam que suas descobertas ajudem a explicar como esses planetas evoluíram e a entender melhor sua composição química.

Imagem 1: A colisão com Urano de um objeto massivo duas vezes o tamanho da Terra que causou o giro incomum do planeta, a partir de uma simulação de alta resolução usando mais de dez milhões de partículas, coloridas por sua energia interna. Crédito: Jacob Kegerreis / Durham University

Imagem 2: Uma imagem composta em infravermelho de 2004 dos dois hemisférios de Urano obtidos com óptica adaptativa do telescópio Keck. Crédito: Lawrence Sromovsky, Universidade de Wisconsin-Madison / Observatório WW Keck.

Fonte: https://m.phys.org/news/2018-07-cataclysmic-collision-uranus-evolution.html

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Error validating access token: The session has been invalidated because the user changed their password or Facebook has changed the session for security reasons.