fbpx
25 de fevereiro de 2024

Chandra Faz Imagem Espetacular do Aglomerado da Árvore de Natal

A nova imagem do NGC 2264, também conhecido como o “Aglomerado da Árvore de Natal”, apresenta a forma de uma árvore cósmica com o brilho de luzes estelares. O NGC 2264 é, na verdade, um aglomerado de estrelas jovens — com idades entre cerca de um e cinco milhões de anos — localizado na nossa Via Láctea, a aproximadamente 2.500 anos-luz de distância da Terra. As estrelas no NGC 2264 são tanto menores quanto maiores que o Sol, variando de algumas com menos de um décimo da massa do Sol até outras contendo cerca de sete massas solares.

Esta nova imagem composta realça a semelhança com uma árvore de Natal através de escolhas de cor e rotação. As luzes azuis e brancas (que piscam na versão animada desta imagem) são estrelas jovens que emitem raios-X detectados pelo Observatório de Raios-X Chandra da NASA. Dados ópticos do telescópio WIYN de 0,9 metros, apoiado pela National Science Foundation e localizado no Pico Kitt, mostram uma nebulosa de gás no aglomerado em verde, correspondendo às “agulhas de pinheiro” da árvore. Por fim, dados infravermelhos do Levantamento do Céu Todo em Dois Mícrons mostram estrelas em primeiro e segundo plano em branco. Esta imagem foi girada 160 graus no sentido horário a partir do padrão astronômico de apontar o Norte para cima, de modo que parece que o topo da árvore está voltado para a parte superior da imagem.

Estrelas jovens, como as do NGC 2264, são voláteis e produzem fortes flares em raios-X e outros tipos de variações observadas em diferentes comprimentos de onda de luz. As variações coordenadas e piscantes mostradas nesta animação, no entanto, são artificiais, para enfatizar as localizações das estrelas vistas em raios-X e destacar a semelhança deste objeto com uma árvore de Natal. Na realidade, as variações das estrelas não são sincronizadas.

As variações observadas pelo Chandra e outros telescópios são causadas por vários processos diferentes. Alguns desses processos estão relacionados à atividade envolvendo campos magnéticos, incluindo flares como os que ocorrem no Sol — mas muito mais poderosos — e regiões quentes e escuras nas superfícies das estrelas que entram e saem de vista à medida que as estrelas giram. Também pode haver mudanças na espessura do gás que obscurece as estrelas, e mudanças na quantidade de material ainda caindo sobre as estrelas a partir de discos de gás circundante.

Fonte:

https://chandra.harvard.edu/photo/2023/ngc2264/

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo