Astrônomos Descobrem a Maior Estrela de Nêutrons já Detectada

Localizada a aproximadamente 3000 anos-luz de distância da Terra na direção da constelação de Escorpião, uma nova estrela de nêutrons foi identificada e é a maior já descoberta até o momento.

A diferença entre a estrela de nêutrons denominada J1903+0327 e a nova estrela denominada de J1614-2230 é de somente meia massa solar. Mas considerando que uma pitada de material da estrela de nêutrons pesa algo em torno de 500 milhões de toneladas, a nova estrela tem um peso realmente extraordinário.

Por um lado os cientistas não sabiam ao certo que estrelas de nêutrons tão grandes como a J1614-2230 pudessem existir. Sua descoberta feita por Paul Demorest e colegas com o National Radio Astronomy Observatory dá aos físicos um novo suporte para o entendimento do que acontece quando prótons e elétrons desistem da luta contra a gravidade e se colapsam em nêutrons.

Esmagadores de partículas existentes na Terra como o LHC não pode competir nem de perto com a Mãe Natureza quando ela decide colidir e esmagar partículas.

“As estrelas de nêutrons são uns dos melhores objetos astronômicos existentes para pesquisar e comprovar leis da física. Elas constituem a forma mais densa de matéria que existe em configurações estáveis”, disse Demorest.

Somente os buracos negros são tão densos. Mas como a luz não pode escapar de sua força gravitacional, os buracos negros seguem trabalhando internamente sem revelar seus segredos para o resto do universo.

Diferente dos buracos negros com as estrelas de nêutrons não é isso que acontece, especialmente aquelas que tem como companheira uma estrela anã branca em uma órbita mútua como é o caso da J1614-2230, assim elas podem revelar todo o seu esplendor.

As estrelas de nêutrons – o denso remanescente do que um dia foi uma estrela 20 vezes maior que o Sol – possui uma rotação rápida e estável. Ela faz 317 revoluções por segundo, o que gera ondas de rádio em intervalos regulares e que são detectáveis.

O que é interessante na verdade é o que acontece com esses sinais à medida que atravessam o objeto companheiro. O tempo dos pulsos é alterado levemente  devido a gravidade da anã branca, um fenômeno previsto pela Teoria Geral da Relatividade de Albert Einstein e testado pelo astrofísico de Harvard Irwin Shapiro nos anos de 1960.

Os cientistas podem usar a medida de tempo para descobrir o tamanho dos objetos – se eles puderem captar sinais claros diretamente do pulsar e de quando os sinais são distorcidos pela gravidade do objeto companheiro. Por um fortuito alinhamento geométrico, a Terra está observando a J1614-2230 e a sua companheira de lado, fornecendo para os cientistas uma das mais precisas medidas do que é chamado de Atraso de Shapiro.

Enquanto muitas outras estrelas de nêutrons são parte de um sistema binário, o fato de observar um desses conjuntos de lado é muito raro.

“Essa é uma das medidas mais limpas que já fizemos. É uma medida bem direta da teoria da relatividade”, disse o pesquisador. “Nesse sistema, em um certo momento durante a órbita o pulso passa perto da anã branca e então nos atinge aqui na Terra. À medida que os sinais passam através da anã branca eles passam por um campo gravitacional relativamente forte. O pulso sofre então um atraso e quando a anã branca está atrás do pulsar, nós observamos um atraso menor”.

A maioria dos modelos de computador não podem considerar estrelas de nêutrons maiores que 1.5 vezes a massa do Sol sem lançar mão de partículas exóticas.

“Se você quer alcançar duas massas solares, é muito difícil fazer uma estrela de nêutrons que não seja só de nêutrons. Ela testa a habilidade das partículas se manterem unidas”, disse Feryal Ozel, um professor assistente de astronomia e física da University of Arizona.

“Mesmo uma diferença entre 1.8 e 2 massas solares para as estrelas de nêutrons é algo bem grande. Nós procuramos por essas diferenças o tempo todo. O fato que essa estrela de nêutrons é um objeto com duas vezes a massa solar é algo significante”, disse Ozel.

O artigo que traz a pesquisa feita sobre essa estrela de nêutrons foi publicado na revista Nature e pode ser acessado aqui: http://tecnoscience.squarespace.com/arquivo/a-maior-estrela-de-neutrons-ja-detectada/

Fonte:

http://news.discovery.com/space/neutron-star-largest-ever.html

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Error validating access token: The session has been invalidated because the user changed their password or Facebook has changed the session for security reasons.