fbpx
24 de fevereiro de 2024

Astrônomos Amadores Descobrem Cratera de Impacto Em Io

Na intricada dança gravitacional entre Júpiter e os outros três satélites galileanos gigantes do planeta, Io emite plumas de enxofre e rocha derretida. Erupções de mais de 400 vulcões reconstroem constantemente a superfície torturada da lua com novo material. Imagens das missões Voyager e Galileo da NASA pintaram todas o mesmo quadro: Ao contrário de todas as outras luas, Io não tinha crateras de impacto, apenas uma paisagem perpetuamente transformada.

Agora, aquele retrato de Io pode ter mudado. Jesper Sandberg, um astrônomo amador que vasculhava uma fotografia tirada pela câmera de imagem de estado sólido (SSI) da sonda Galileo em outubro de 2001, relatou a potencial descoberta de uma pequena cratera de impacto. A cicatriz escura, com cerca de 100 metros de largura, sugere que os astrônomos podem precisar revisar seu entendimento dos processos geológicos de Io.

Os cientistas da missão Galileo, David Williams e Rosaly Lopes, ficaram intrigados com a possível nova cratera e suas implicações. Eles coapresentaram uma análise das descobertas de Sandberg na Reunião de Outono da AGU em 2023.

No inverno passado, em sua casa em Estocolmo, Suécia, Sandberg examinava uma galeria do Flickr com imagens processadas da missão Galileo. Uma das imagens era de uma região deserta em Io, perto de uma montanha chamada Telegonus Mensae. Ele notou um pequeno buraco com cerca de 7 ou 8 pixels de largura, que nenhum cientista, até onde sabia, havia ainda anotado. Sandberg, um grande admirador de vulcões, inicialmente considerou ser uma cicatriz de erupção.

Animado pela marca estranha, Sandberg contatou Lopes, uma geóloga planetária no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, em Pasadena, Califórnia. A forma circular chamou a atenção dela, então ela contatou seu colega Williams, professor de pesquisa na Universidade Estadual do Arizona. Juntos, examinaram minuciosamente a imagem.

“Na verdade, eu processei os mosaicos do SSI da Galileo naquela época”, disse Williams. “Voltei, busquei a imagem e olhei de perto – com certeza, há um ponto que poderia ser facilmente interpretado como uma cratera de impacto.”

A redondeza do ponto é indicativa, disse Williams; uma forma irregular poderia ter sugerido uma cratera vulcânica. Combinada à sua localização isolada longe de um fluxo de lava, Williams está confiante de que Sandberg encontrou algo significativo na superfície de Io.

Outros colegas agora deram suas opiniões. “Vi essa imagem muitas, muitas vezes, mas simplesmente não tínhamos isso no radar”, observou Jani Radebaugh, uma geóloga planetária da Brigham Young University que estudou as primeiras imagens de Io da Galileo como estudante de pós-graduação. A depressão em forma de tigela longe do terreno circundante poderia ser interpretada como uma cratera de impacto, ela disse.

Mas, na resolução da imagem, é difícil distinguir verdadeiramente uma cratera de impacto de uma vulcânica, disse Tracy Gregg, uma vulcanologista planetária da Universidade de Buffalo. Ela está impressionada pela simetria do buraco circular, mas o material escuro ao redor da depressão poderia surgir tanto de uma erupção vulcânica quanto do ejecta de um impacto, explicou.

“Não temos os dados necessários para confirmar de um jeito ou de outro”, disse Gregg. E, acrescentou, até que a próxima sonda espacial chegue, depósitos vulcânicos podem já ter coberto a área.

A presença de uma cratera dessas em Io sugere que pode haver uma população oculta de outras, disse Lopes. Levar em conta esses impactos ajudaria os cientistas a desenvolverem melhores modelos da violenta história geológica da lua.

Apenas uma missão futura poderia capturar Io na resolução necessária para revelar mais crateras, observou Williams. Isso é um desafio e uma perspectiva custosa: O intenso cinturão de radiação cercando Io causaria estragos em uma sonda orbital próxima. Mas um sobrevoo abrangente de um orbitador de Júpiter, como a missão Europa Clipper da NASA, que será lançada no próximo ano, poderia ser suficiente.

Enquanto isso, Sandberg continua a vasculhar os arquivos de fotos. “Tenho olhado para [essas fotos] há muitos anos”, disse ele. “Não me canso; constantemente descubro novos detalhes. Foi assim que encontrei isso.”

Fonte:

https://eos.org/articles/amateur-astronomer-finds-a-possible-crater-on-io

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo