fbpx
27 de fevereiro de 2024

As Primeiras Imagens da Missão Psyche da NASA

A equipe da missão Psyche da NASA celebrou o sucesso atingido pela missão desde o seu lançamento direto do Kennedy Space Center em 13 de outubro de 2023. A sonda conseguiu ligar todos os instrumentos está funcionando bem e enviou para a Terra suas primeiras imagens.

Em 8 semanas desde o seu lançamento a sonda Psyche da NASA conseguiu realizar uma sequência de operações, todas elas muito bem sucedidas, ligou seus instrumentos científicos, enviou dados para a Terra, conseguiu programar sua jornada para o espaço profundo com seus motores elétricos e por fim, mas não menos importante, na segunda-feira, dia 4 de dezembro de 2023, as câmeras gêmeas da Psyche foram ligadas e conseguiram fazer e enviar para a Terras suas primeiras imagens, essa etapa no mundo da astronomia é chamada de a primeira luz.

A sonda se encontra a 26 milhões de quilômetros da Terra, e está seguindo na sua jornada para encontrar o seu destino, o asteroide Psyche, mas algo que só vai acontecer em 2029. A equipe da Psyche quer testar todos os instrumentos científicos no começo dessa longa jornada para ter certeza que tudo está funcionando bem e caso precise eles tenham tempo de realizar ajustes e calibrações.

O instrumento imageador, que normalmente chamamos de câmera, consiste de um par de câmeras, que capturaram um total de 68 imagens, todas elas mostrando um campo de estrelas na constelação de Peixes. A equipe de imageamento da Psyche usou os dados para verificar se a sonda recebeu corretamente os comandos, analisar a telemetria e calibrar as imagens.

Essas imagens inicias são como o abrir das cortinas em um espetáculo. Para a equipe que desenhou e opera esse sofisticado instrumento, a primeira luz é algo muito importante. Primeiramente as câmeras são verificadas com imagens como essa, então em 2026, as câmeras serão novamente testadas durante o sobrevoo por Marte. E finalmente, em 2029, elas estarão prontas para realizar o trabalho sério, ou seja, fotografar e registrar os detalhes do asteroide Psyche. Tudo isso deve ser divulgado pela NASA assim que as imagens forem sendo obtidas.

O imageador da Psyche faz imagens através de múltiplos filtros coloridos, todos eles foram testados nessas condições iniciais. Com os filtros, a equipe irá usar fotos feitas em comprimentos de ondas tanto da luz visível como da luz invisível ao olho humano para ajudar a determinar a composição do asteroide Psyche, um asteroide rico e metal. A equipe de imageamento da Psyche irá usar os dados para criar mapas 3D do asteroide e assim entender melhor sua geologia, e ao entender a geologia do asteroide teremos uma boa ideia sobre a sua história.

No início da missão, no final de outubro de 2023, a equipe ligou o magnetômetro da Psyche, esse instrumento no futuro irá fornecer dados cruciais para que se possa determinar como o asteroide foi formado. Se encontrarmos evidências que o asteroide uma vez na sua vida teve um campo magnético, isso poderá ser um forte indício de que o Psyche é na verdade parte do núcleo de um planetesimal, ou seja, um bloco fundamental de um planeta em formação. A informação ajudará a entender melhor como o nosso próprio planeta se formou.

Logo depois de ter sido ligado, o magnetômetro deu aos cientistas um presente inesperado, ele detectou uma erupção solar, na verdade uma CME, ou seja, uma ejeção de massa coronal. E desde então a equipe tem visto vários desses eventos e irá continuar a monitorar o clima espacial à medida que a sonda viaja até o asteroide.

As notícias são muito boas. Os dados coletados confirmam que o magnetômetro pode precisamente detectar pequenos campos magnéticos. E também confirmar que a sonda está magneticamente calma, isso quer dizer que nenhum circuito elétrico da sonda está gerando um campo magnético, o que poderia dificultar a interpretação dos dados quando ela chegasse no asteroide.

No dia 8 de novembro de 2023, enquanto realizava os trabalhos com os instrumentos científicos, a equipe da sonda Psyche ligou dois dos quatro propulsores elétricos, e assim já quebrou um recorde, logo de cara, foi a primeira vez que motores de efeito Hall foram usados no espaço profundo. Até agora eles tinham sido usados somente em sondas na órbita da Lua. Ao expelir átomos carregados, ou seja, íons, de gás xenônio, os motores ultra eficientes empurram a sonda em direção ao asteroide, numa jornada de 3.6 bilhões de quilômetros e isso ajuda também a manobrar a sonda.

Menos de 1 semana depois disso, no dia 14 de novembro de 2023, a demonstração de tecnologia que viaja a bordo da Psyche, um experimento chamado de Deep Space Optical Communications, ou DSOC, também estabeleceu um recorde. O DSOC enviou e recebeu dados ópticos de um local muito além da Lua. O instrumento enviou um dado de teste no infravermelho próximo codificado em um laser de uma distância de 16 milhões de quilômetros, essa é a maior distância até hoje já usada numa comunicação óptica.

Além de tudo isso, a equipe da Psyche também ligou com sucesso o componente detector de raios-gamma do seu terceiro instrumento científico, o Espectrômetro de Nêutrons e Raios-Gamma. Agora na próxima semana, no dia 11 de dezembro de 2023, os sensores do detector de nêutrons serão ligados. Juntas, todas essas capacidades ajudarão a equipe a determinar os elementos químicos que fazem parte do material localizado na superfície do asteroide.

A Universidade Estadual do Arizona, a ASU lidera a missão Psyche. Uma divisão da Caltech, em Pasadena, o JPL, Jet Propulsion LAboratory da NASA  é responsável pelo gerenciamento geral da missão, pelo sistema de engenharia, pela integração e teste e pela operação da missão. A Maxar Technologies que fica em Palo Alto, na Califórnia, forneceu o sistema de propulsão elétrico da sonda e o seu chassis. A ASU lidera as operações do instrumento imageador da sonda, trabalhando em colaboração com o Malin Space Science Systems em San Diego, no design, na fabricação e no teste das câmeras.

O JPL gerencia o DSOC para o Technology Demonstration Missions dentro do Space Technology Mission Directorate da NASA e  o Space Communications and NAvigation dentro do Space Operations Mission Directorate.

A Psyche é a décima quarta missão selecionada como parte do Programa Discovery da NASA, que é gerenciado pelo Marshall Space Flight Center da NASA em Huntsvilee no Alabama. O Launch Services Program da NASA baseado no Kennedy Space Center gerenciou todo o serviço de lançamento da missão.

Fonte:

https://www.jpl.nasa.gov/images/pia25960-first-images-from-nasas-psyche

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo