fbpx
22 de fevereiro de 2024

AS EXOLUAS NÃO EXISTEM!

ASSINE AGORA O SPACE TODAY PLUS PREMIUM, APENAS R$29,00 POR MÊS, MENOS DE 1 REAL POR DIA!!! https://spacetodayplus.com.br/premium/ Uma nova pesquisa tem uma dupla de cientistas canalizando Obi-Wan Kenobi de Star Wars: Uma Nova Esperança em relação à proposta de…

ASSINE AGORA O SPACE TODAY PLUS PREMIUM, APENAS R$29,00 POR MÊS, MENOS DE 1 REAL POR DIA!!!

https://spacetodayplus.com.br/premium/

Uma nova pesquisa tem uma dupla de cientistas canalizando Obi-Wan Kenobi de Star Wars: Uma Nova Esperança em relação à proposta de detecção de duas luas orbitando planetas fora do sistema solar. Em suma, eles não têm certeza se as primeiras detecções de exoluas da humanidade sejam precisas. Na verdade, as mesmas descobertas também mostraram que as exoluas em geral só podem aparecer se forem extremamente grandes.

A investigação demonstra que, embora não haja razão para sugerir que as luas não orbitem mundos noutros sistemas planetários, encontrá-las é uma tarefa complicada. Nas três décadas desde a primeira detecção de um planeta extrassolar ou “exoplaneta”, o catálogo de mundos em torno de outras estrelas cresceu com mais de 5.000 exemplos confirmados até à data. No entanto, quaisquer possíveis luas extrasolares ou “ exoluas ” orbitando esses mundos escaparam aos astrônomos.

Isso foi até 2018, quando os astrônomos acreditaram ter finalmente avistado uma exolua ao redor do planeta Kepler-1625 b , um mundo semelhante a Júpiter localizado a cerca de 8.000 anos-luz da Terra. Então, em janeiro de 2022, os astrônomos acreditaram ter avistado uma segunda exolua, desta vez orbitando o exoplaneta Kepler-1708 b , um gigante gasoso com 4,6 vezes a massa de Júpiter localizado a 5.400 anos-luz da Terra. O próprio Kepler-1708 b só foi descoberto em 2021.

Heller e seus colegas chegaram às notícias decepcionantes sobre as exoluas de Kepler-1625 b e Kepler-1708 b usando um algoritmo de computador que desenvolveram chamado “Pandora”. A aplicação do Pandora, concebido para acelerar a descoberta de exoluas, aos dados recolhidos pelo Telescópio Espacial Kepler de Kepler-1708 b da NASA revelou que os cenários sem uma exolua tinham a mesma probabilidade de explicar as observações desse exoplaneta e da sua estrela por si só.

“A probabilidade de uma lua orbitar Kepler-1708b é claramente menor do que o relatado anteriormente. Os dados não sugerem a existência de uma exolua em torno de Kepler-1708b”, disse Michael Hippke, coautor da pesquisa e astrônomo do Observatório Sonneberg, no declaração.

Para Kepler-1625 b, Hippke e Heller sugerem que um efeito chamado “escurecimento dos membros estelares”, que pode causar variações no brilho de uma estrela, impactou o sinal de exolua proposto. O escurecimento dos membros estelares, dizem eles, explicaria melhor as observações da estrela-mãe do que o escurecimento causado pela presença de uma potencial lua alienígena.

Se outros sistemas planetários fossem como o sistema solar, então este tipo de lua extrema seria realmente muito estranho. Conhecemos cerca de 290 luas do sistema solar, e nenhuma se enquadra nesse perfil – o que significa que a detecção de exoluas pode ser ainda menos provável do que já era.

FONTES:

https://www.space.com/exomoon-detection-doubt-kepler-telescope-data-star-transits

https://www.nature.com/articles/s41550-023-02148-w.pdf

#EXOPLANETS #EXOMOONS #UNIVERSE

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo