fbpx
27 de fevereiro de 2024

As Camadas Expostas de Uma Cratera Marciana

Na Terra, os geólogos podem cavar buracos e extrair amostras do núcleo para descobrir o que está abaixo da superfície.

Em Marte, os geólogos não podem cavar buracos com muita facilidade, mas um processo vem ocorrendo há bilhões de anos que tem cavado buracos para eles: crateras de impacto.

As crateras de impacto se formam quando um asteroide, meteoroide ou cometa colide com a superfície de um planeta, causando uma explosão. A energia da explosão e o tamanho resultante da cratera de impacto dependem do tamanho e densidade do objeto que colidiu com o planeta, bem como das propriedades da superfície atingida. Em geral, quanto maior e mais denso o objeto que colide, maior será a cratera que ele formará.

A cratera de impacto nesta imagem tem um pouco menos de 3 quilômetros de diâmetro. O impacto revelou camadas quando escavou a superfície marciana. As camadas podem se formar de várias maneiras diferentes. Vários fluxos de lava em uma área podem formar sequências empilhadas, assim como depósitos de rios ou lagos. Compreender a geologia em torno das crateras de impacto e procurar dados mineralógicos dentro de suas camadas pode ajudar os cientistas na Terra a entender melhor o que as paredes das crateras de impacto em Marte expõem.

(Nota: o norte está aproximadamente para baixo no recorte e na imagem acima).

Fonte:

https://www.uahirise.org/hipod/PSP_008206_1620

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo