fbpx
23 de fevereiro de 2024

Anel de Gás em Leão Explicado pela Colisão de Galáxias

A natureza do gigantesco anel de gás que circunda o grupo de galáxias de Leão foi decifrada a medida que lembra a violenta colisão galáctica que aconteceu ali a mais de um bilhão de anos atrás.

O anel de Leão é  feito de gás frio e se expande por um diâmetro de aproximadamente 650000 anos-luz. Sua origem tem instigado os astrônomos desde a sua descoberta nos anos de 1980, mas a detecção de metais presentes no gás no ano passado levou os astrônomos a acreditar que o anel era composto do gás primordial. De acordo com a teoria, o acréscimo de gás frio primordial tem um papel fundamental nos estágios iniciais de formação das galáxias, mas essa etapa é caracterizada pelo fato de nunca ter ocorrido uma separação entre galáxias antes, e assim não possui as condições necessárias para formar estrelas.

Agora graças as observações feitas com o Telescópio Franco Canadense do Havaí, os astrônomos detectaram pela primeira vez uma assinatura óptica dentro da densa parte do anel. Correspondendo a regiões que contém estrelas jovens massivas, essas observações jogam por terra a teoria sobre o gás primordial.

Combinando as observações com simulações em computadores, os cientistas chegaram a conclusão que o anel é na verdade uma relíquia de uma dramática colisão ocorrida entre duas galáxias a apenas um bilhão de anos atrás. Os dois personagens dessa colisão foram identificados como sendo a NGC 3384, atualmente localizada no centro do Grupo de Leão e a galáxia espiral M96 situada na porção marginal do grupo.

Fonte:

http://www.astronomynow.com/news/n1007/01leo/

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo