A Via Láctea em Cascata

Muitas fotografias astronômicas captam imagens extraordinárias do céu, e esta não é exceção. Há, no entanto, algo incomum neste panorama. Por trás do Very Large Telescope (VLT) do ESO, duas correntes de estrelas parecem descer tal qual quedas d’água, ou talvez subir como colunas de fumaça em direção aos céus. Este efeito deve-se ao fato do panorama capturar toda a abóbada celeste, desde o zênite até ao horizonte, em 360º completos. As duas correntes são, de fato, uma faixa única: o plano da nossa Galáxia, a Via Láctea, à medida que atravessa o céu de horizonte a horizonte. Quando passa por cima de nós, parece espalhar-se ao longo de toda a região superior do panorama, devido à distorção que é necessária para contermos toda a abóbada celeste numa imagem plana retangular.

Para entendermos melhor a imagem, imaginemos que a extrema esquerda está ligada à extrema direita, criando um arco à nossa volta, e que a parte de cima está toda contida num único ponto por cima de nós, ou seja, corresponde a toda a abóbada celeste que se encontra em cima.

Na parte esquerda da imagem, a silhueta da biruta do observatório pode ser vista por cima do edifício. À esquerda da biruta está uma mancha brilhante que é a Pequena Nuvem de Magalhães, uma galáxia vizinha da Via Láctea. À direita, no plano da Via Láctea, podemos ver o brilho avermelhado da Nebulosa Carina e por cima desta encontra-se a escuridão correspondente à Nebulosa Saco de Carvão, próxima do Cruzeiro do Sul. Um pouco mais para cima vemos as duas estrelas brilhantes Alfa e Beta Centauri. Os quatro edifícios altos que se vêem na imagem acolhem os telescópios de 8,2 metros do VLT. Entre os dois telescópios da direita está o edifício menor do VLT Survey Telescope. À direita da imagem, podemos ainda observar o planeta Vênus que brilha logo acima do horizonte.

Este panorama, que mostra não somente o topo do Cerro Paranal, mas também o magnífico céu que o observatório estuda, foi criado pelo Embaixador Fotográfico do ESO Serge Brunier. Assim como a tecnologia de vanguarda do VLT expande a nossa visão do Universo, Serge também utilizou as técnicas fotográficas mais avançadas para capturar um hemisfério completo do céu numa só imagem – muito mais do que os nossos olhos poderiam ver duma só vez.

Fonte:

http://www.eso.org/public/brazil/images/potw1224a/

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo