A Última Chuva de Meteoros na Lua

Adicione uma cor vermelha com manchas verdes e você terá uma aurora. Deixe o branco e parece que você tem uma tempestade de neve carregando pedaços de carvão. Uma cortina achatada sobre a superfície e você tem um material ejetado de uma cratera de impacto nova. Essa imagem na verdade é um detalhe, a largura da imagem tem somente 750 metros e a cratera fonte desse material que aparece fora dessa imagem só tem 475 metros de diâmetro. A cratera é uma mancha brilhante pequena e brilhante um pouco a oeste da cratera Firmicus, e é realmente muito pequena para ser observada desde a Terra, mas aparece de forma espetacular através da lente da câmera de uma sonda na órbita da Lua. Os pedaços escuros são crateras de impacto mais recentes que foram escavadas através de uma fina camada de material ejetado brilhante, trazendo à tona material mais escuro localizado abaixo – uma dessas crateras na parte superior esquerda é grande o suficiente para provar isso. Mais recente, mas quanto? Talvez somente alguns minutos se elas forem crateras secundárias  do principal impacto. Se elas são crateras primárias  não relacionadas ao evento que criou o evento de ejeção, a contagem delas poderia ser uma maneira de estimar a idade da cratera principal. Mas é necessário escolher a área onde será feita a contagem com cuidado, se essa região for escolhida muito próximo da parte superior da imagem, a cratera poderá parecer mais jovem. Você sabe por que? Existem muito poucas pequenas crateras escuras pois o material ejetado é muito espesso para as jovens crateras escavarem o material escuro abaixo.

Fonte:

http://lpod.wikispaces.com/April+25%2C+2011

 

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo