A Galáxia NGC 1068: Como os Buracos Negros Moldam a Forma das Galáxias Com Seus Jatos Poderosos

Essa imagem composta mostra a NGC 1068, uma das galáxia mais próximas e mais brilhantes que possuem um buraco negro supermassivo de crescimento muito rápido. Os dados de raios-X obtidos pelo Observatório de Raios-X Chandra da NASA são mostrados em vermelho, enquanto que os dados ópticos obtidos pelo Telescópio Espacial Hubble são mostrados em verde e os dados de rádio obtidos pelo Very Large Array em azul. A estrutura em espiral da NGC 1068 é mostrada pelo dados ópticos e de raios-X e um jato energizado pelo buraco negro supermassivo central é mostrado pelo dados de rádio.

As imagens em raio-X e o espectro obtido usando o High Energy Transmission Grating Spectrometer do Chandra mostra que um forte vento está sendo dirigido para longe do centro da NGC 1068 a uma taxa de um milhão de quilômetros por hora. Esse vento é provavelmente gerado à medida que o gás circundante é acelerado e aquecido e cai em forma de espiral na direção do buraco negro. Uma porção do gás é empurrada para dentro do buraco negro, mas alguma parte dele é soprada para fora. Raios-X de alta energia são produzidos pelo gás próximo do buraco negro aquecendo o gás que está emitido fazendo com ele brilhe em raios-X de baixa energia.

Esse estudo do Chandra é muito mais profundo do que as observações em raios-X previamente realizadas dessa galáxia. Esse estudo permite aos cientistas gerarem um mapa de alta resolução do volume em forma de cone gerado pelo vento de alta velocidade e pelo buraco negro, e fazer assim medidas precisas de como a velocidade do vento varia ao longo do cone. Usando esses dados mostra-se que a cada ano uma quantidade igual a algumas massas solares são depositadas a grandes distâncias do buraco negro, aproximadamente 3000 anos-luz. O vento provavelmente carrega energia suficiente para aquecer o gás ao redor e suprimir assim a formação extra de estrelas.

Esses resultados ajudam a explicar como um buraco negro supermassivo pode alterar a evolução estelar de sua galáxia hospedeira. Por muito tempo suspeitou-se que o material soprado para fora de um buraco negro pudesse afetar o seu ambiente, mas uma questão fundamental tem sido se esse sopro do buraco negro consegue emitir energia suficiente para ter um impacto significante.

A NGC 1068 está localizada a aproximadamente 50 milhões de anos-luz de distância da Terra e contém um buraco negro supermassivo que tem aproximadamente o dobro do tamanho do buraco negro localizado no centro da Via Láctea.

Fonte:

http://chandra.harvard.edu/photo/2010/ngc1068/

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo