A Distribuição do Hidrogênio na Grande Nuvem de Magalhães

Uma galáxia satélite da nossa Via Láctea, a Grande Nuvem de Magalhães (LMC) é um sinal encantador que pode ser observado nos céus escuros do sul na direção da constelação de Dorado. Localizada a apenas 180000 anos-luz de distância da Terra, a LMC pode ser observada com impressionante detalhe nesse mosaico profundo constituído de imagens telescópicas. O mosaico inclui imagens feitas através de um filtro restrito que transmite somente a luz vermelha dos átomos de hidrogênio. Ionizado pela luz energética das estrelas, um átomo de hidrogênio emite uma luz característica vermelha de H-alfa à medida que um simples elétron é recapturado e sofre uma transição para um estado de energia mais baixo. Como resultado, esse mosaico aparece salpicado com nuvens rosadas de gás hidrogênio ao redor de estrelas jovens e massivas. Esculpido pelos fortes ventos estelares e pela radiação ultravioleta, as nuvens de hidrogênio brilhante são conhecidas como regiões H II (hidrogênio ionizado). Composta por muitas nuvens sobrepostas, a Nebulosa da Tarântula à esquerda do centro, é de longe a maior região de formação de estrelas da  LMC. A Grande Nuvem de Magalhães tem aproximadamente 15000 anos-luz de diâmetro.

Fonte:

http://apod.nasa.gov/apod/ap110426.html

 

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Error validating access token: The session has been invalidated because the user changed their password or Facebook has changed the session for security reasons.