fbpx
26 de fevereiro de 2024

A China Revela Os Planos Para Construir O Maior Telescópio Óptico da Ásia

Com o objetivo de reduzir rapidamente a enorme lacuna entre a China e os países estrangeiros em telescópios astronômicos ópticos, o país planeja construir um telescópio óptico de uso geral com a maior abertura da Ásia o mais rápido possível entre 2024 e 2030. O telescópio será construído em duas fases, e  terá um diâmetros de 6 metros e 8 metros, respectivamente, o que melhorará muito as capacidades de observação da astronomia óptica chinesa. Com esse novo telescópio óptico os chineses terão as condições necessárias para observação óptica, terão também a garantia da produção de resultados científicos de primeira classe e irão acumular uma experiência valiosa para a China no que diz respeito à construção de telescópios ópticos terrestres de maior calibre além lançar telescópios espaciais em grande escala no futuro.

O telescópio está sendo chamado de Expanding Aperture Segmented Telescope, ou EAST, ou em português, algo como Telescópio Segmentado de Abertura Expandida, isso porque o seu espelho será segmentado como dos telescópios mais modernos do mundo e a sua abertura começará com 6 metros e depois será expandida para 8 metros, e todo o projeto está sendo liderado pela universidade de Perking.

A astronomia desempenha um papel insubstituível na estratégia, tecnologia e desenvolvimento social da China. Ah, como seria bom ouvir isso no Brasil. Ele obtém informações do universo com a mais avançada tecnologia de detecção, permitindo que os seres humanos explorem algumas das questões científicas mais básicas do universo. Um grande telescópio astronômico é um importante símbolo do nível de desenvolvimento tecnológico de um país. Atualmente, os telescópios astronômicos óticos estrangeiros com uma abertura de mais de 6 metros são propriedade principalmente dos Estados Unidos, Europa e Japão, e estão instalados nas Américas, Europa e África fora da Ásia. A abertura máxima é de 10 metros, incluindo os dois telescópios Keck e o telescópio HET nos Estados Unidos, o telescópio GTC na Europa e o telescópio SALT na África do Sul. A maioria desses telescópios são telescópios de uso geral, que são a principal força para grandes descobertas astronômicas. Por exemplo, o Prêmio Nobel de Física de 2020 foi concedido a cientistas que descobriram o buraco negro no centro da Via Láctea usando os telescópios americano Keck (dois de 10 metros) e europeu VLT (quatro de 8 metros).

O maior telescópio óptico chinês é o Telescópio Guo Shoujing (LAMOST) com uma abertura média de 4 metros, mas este é um telescópio especial usado apenas para levantamentos espectrais. Os maiores telescópios ópticos da China, de uso geral são o telescópio de 2.4 metros em Lijiang, Yunnan e o telescópio de 2.16 metros em Xinglong, Hebei, que estão muito atrás dos países estrangeiros. Logicamente não podemos esquecer que a China possui o China Sky Eye FAST de classe mundial, Observatório de raios cósmicos de alta altitude LHAASO, Smart Eye Satellite HXMT e outros equipamentos nas bandas de rádio e alta energia, mas a falta de telescópios ópticos médios e grandes dificulta seriamente o desenvolvimento geral dos chineses na astronomia.

Descobertas observacionais em outras bandas de comprimento de onda geralmente requerem observações de acompanhamento com grandes telescópios ópticos para confirmar seu valor científico. O Telescópio Espacial Sky Survey CSST da Estação Espacial da China, a ser lançado em breve, e o Telescópio de Pesquisa de Campo Amplo WFST, de abertura ampla, de 2.5 m, a serem construídos em Qinghai Lenghu, ambos requerem telescópios ópticos de uso geral de abertura maior para acompanhamento de observações astronômicas. No futuro, a construção na China de telescópios infravermelhos ópticos terrestres com um diâmetro de 15-30 metros e o lançamento de telescópios de união espacial com um diâmetro de mais de 6 metros também exigirão a experiência de construção de telescópios com um diâmetro de mais de 6 metros em solo. Portanto, é muito urgente e necessário construir um telescópio óptico de uso geral com um diâmetro de 6 a 8 metros e o maior espelho unido da Ásia o mais rápido possível entre 2024-2030.

O telescópio óptico de 6-8m adota a tecnologia de segmentos de espelhos e pode ser construído em duas fases por um total de 7 anos. A primeira fase (os primeiros 5 anos, 2024-2028) será feita a construção do rack e de uma cúpula. O espelho principal será composto por  18 segmentos cada um com o diâmetro de 1.44 metros. O tamanho do espelho é de cerca de 6 metros (5.76 x 6.24 metros). A segunda fase (os próximos dois anos, 2029-2030) adiciona 18 segmentos no entorno do espelho principal dando a ele então a configuração final de um espelho de 8 metros (7.92 x 8.73 metros) e a abertura é de 7.8 metros. A primeira fase de instrumentos de plano focal inclui câmeras de imagem, espectrômetros de imagem de baixa e média resolução, e a segunda fase inclui espectrômetros de alta resolução, espectrômetros de múltiplos objetos, polarímetros e sistemas de óptica adaptativa. O custo total do projeto é estimado em 500-600 milhões de yuans.

A área escolhida para se construir o telescópio é em Lenghu da província de Haixi, na província de Qinghai, está localizada no extremo norte da bacia de Qaidam, com céu noturno claro, Sol abundante, condições de tráfego convenientes e um bom ambiente de segurança regional. A equipe doméstica de seleção do local conduziu um monitoramento abrangente dos parâmetros do local da Montanha Lenghu Saishiteng a uma altitude de 4.200 metros por três anos e obteve dados, incluindo observação atmosférica, estudo da magnitude que se pode observar dali, proporção observável de noites claras, clima, poeira e turbulência e uma grande quantidade de dados, incluindo vapor de água precipitável. Em uma noite sem lua no local da Estação da Montanha Saishiteng é possível se ter uma observação com  22 magnitudes/segundo de arco quadrado, e a noite clara de alta qualidade representa cerca de 70%, e o valor médio de visualização é de 0.75 segundo de arco. Com parâmetros básicos superiores, é um raro observatório astronômico óptico de classe mundial no hemisfério oriental.

Vamos lembrar que tudo que a China se propõem a fazer ela faz, então, pode ter certeza que em 2030 teremos um grande telescópio óptico chinês em funcionamento.

Fonte:

http://astro.pku.edu.cn/info/1056/1795.htm

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo