fbpx
27 de fevereiro de 2024

A Bela Galáxia NGC 3156 Fotografada Pelo Hubble

Na tapeçaria cósmica que envolve nosso universo, a galáxia NGC 3156 se destaca como uma esplêndida manifestação de beleza e mistério. Localizada a aproximadamente 73 milhões de anos-luz da Terra, na constelação menor equatorial de Sextans, essa galáxia lenticular representa um elo fascinante entre as galáxias elípticas e espirais.

Sextans, uma pequena constelação pertencente à família de constelações de Hércules, é em si uma homenagem ao legado astronômico. Seu nome deriva do instrumento conhecido como sextante, essencial na navegação do século XVIII. Contudo, seu uso na astronomia remonta a épocas muito mais antigas. Eruditos islâmicos já desenvolviam sextantes astronômicos séculos antes, com o propósito de medir ângulos no céu. Um exemplo notável é o colossal sextante de 36 metros de raio desenvolvido por Ulugh Beg, da dinastia Timúrida, no século XV, situado em Samarcanda, atual Uzbequistão. Estes sextantes podem ter evoluído do quadrante, um dispositivo de medição proposto por Ptolomeu. O sextante, como sugere o nome, tem a forma de um sexto de círculo, aproximadamente a forma da constelação de Sextans.

A NGC 3156, sendo uma galáxia lenticular, apresenta características tanto das galáxias elípticas quanto das espirais. Esta classificação é crucial para entendermos sua formação e evolução. As galáxias lenticulares, como NGC 3156, são frequentemente vistas como um estágio intermediário na evolução galáctica, oferecendo pistas valiosas sobre os processos dinâmicos que moldam o universo.

A galáxia NGC 3156 não é apenas um objeto de admiração estética; ela é também uma fonte rica de informação científica. Estudos sobre seus aglomerados globulares revelam aspectos sobre a formação de estrelas em sua história. Esses aglomerados, com suas estrelas densamente agrupadas, são como cápsulas do tempo, contendo pistas sobre as condições primordiais do universo.

No coração da NGC 3156, assim como em muitas galáxias, reside um buraco negro supermassivo. A ação destrutiva deste buraco negro sobre as estrelas próximas oferece uma visão dramática e esclarecedora dos processos extremos que ocorrem no núcleo galáctico. O estudo de tais fenômenos ajuda os astrônomos a compreender melhor as forças gravitacionais em jogo em escalas cósmicas.

Enquanto contemplamos NGC 3156, é impossível não refletir sobre a evolução dos instrumentos astronômicos ao longo dos séculos. Os sextantes, outrora cruciais na astronomia e navegação, deram lugar a tecnologias mais precisas e sofisticadas. Hoje, telescópios avançados e instrumentação de ponta permitem aos astrônomos medir com precisão as posições e movimentos das estrelas e objetos astronômicos, revelando detalhes antes inimagináveis.

A NGC 3156, com sua complexa estrutura e rica história, serve como uma ponte para o entendimento cósmico. Ela é um lembrete da nossa busca incessante pelo conhecimento do universo e da nossa posição nele. Ao estudar galáxias como NGC 3156, não apenas ampliamos nosso entendimento do cosmos, mas também enriquecemos nosso apreço pela incrível jornada da humanidade em direção às estrelas.

Fonte:

https://esahubble.org/images/potw2337a/

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo