fbpx

A Aurora de 3 de Agosto de 2010

Até que em fim algum movimento no Sol. O nosso astro rei andava calmo demais, sinal de que algo ia acontecer e aconteceu.

Desde do dia 1 de Agosto de 2010, uma atividade anômala foi detectada no Sol, por meio dos satélites da NASA que ficam voltados para a nossa estrela mais próxima.

O que aconteceu no Sol foi uma erupção do tamanho do planeta Terra, conhecida como uma labareda de classe C3, na verdade é como se fosse um tsunami solar, onde múltiplos filamentos magnetizados deixam a superfície solar e em grande escala agitam toda a coroa solar causando então explosões em ondas de rádio, além do fenômeno conhecido como Coronal Mass Ejection (CME). Essas CME começaram então sua viagem até a Terra e quando atingiram o planeta foram responsáveis por um dos mais belos fenômenos naturais que se pode observar uma Aurora Boreal.

Nesses dois vídeos abaixo pode-se ver a atividade anormal do Sol gerando os filamentos.

[youtube width=”739″ height=”615″]http://www.youtube.com/watch?v=1VHiBJzQwPw[/youtube]

[youtube width=”739″ height=”615″]http://www.youtube.com/watch?v=VyaqxKkSCpU[/youtube]

Os satélites do NOAA também fizeram várias previsões. E com um satélite polar foi possível medir a extensão do efeito da aurora. A figura abaixo mostra exatamente isso.

Depois de um pouco da ciência por trás desse belo fenômeno, agora as fotos que registraram com extrema clareza o que aconteceu. As imagens são principalmente da Alemanha, Noruega, Norte dos EUA.


Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .