100 MIL SUPERNOVAS EXPLODIRAM NO CORAÇÃO DA VIA LÁCTEA | SPACE TODAY TV EP2062

Como vocês estão vendo, recentemente estamos falando muito da nossa galáxia, a Via Láctea.

Lógico, queremos entender cada vez mais e melhor como a nossa galáxia é formada, como ela nasceu, qual o seu tamanho, massa, idade e outras propriedades.

Com tudo isso, poderemos contar de forma cada vez mais completa a nossa história no universo.

No hemisfério sul da Terra, nós temos uma visão bem privilegiada do centro da Via Láctea.

Estudar o centro pode nos fornecer muitas informações interessantes sobre a nossa galáxia.

Uma das questões sobre a Via Láctea é, como se deu a formação de estrelas, será que a formação aconteceu de forma contínua, ou ela teve explosões, momentos em que se teve uma grande taxa de formação de estrelas e depois um hiato.

Com o objetivo de descobrir isso, os astrônomos apontaram o poderoso VLT do ESO para a parte central da Via Láctea, e usaram o seu instrumento conhecido como HAWK-I.

Com essa poderosa câmera, foi possível estudar a região central através da poeira que toma conta da região e então descobrir as estrelas atrás dessa cortina de poeira.

Com essas observações, a equipe descobriu que cerca de 80% das estrelas situadas na região central da Via Láctea se formaram nos primeiros anos da nossa galáxia entre 8 e 13.5 bilhões de anos atrás.

Na verdade se considerarmos o estudo da idade da Via Láctea, entre 8 e 10 bilhões de anos atrás.

Depois disso se passaram 6 bilhões de anos período esse em que nasceram poucas estrelas na galáxia.

E esse hiato terminou com uma intensa formação de estrelas que aconteceu a 1 bilhão de anos.

Essa atividade atualmente é vista nas galáxias que são classificadas como galáxias de formação explosiva de estrelas.

Para que isso tenha acontecido na nossa galáxia, a ideia é que cerca de mais de 100 mil explosões de supernovas tenham sido responsáveis por essa intensa formação de estrelas.

Esse é considerado um dos eventos mais energéticos em toda a história da Via Láctea.

Nessa etapa muitas estrelas missivas se formaram, essas estrelas muito massivas vivem pouco, e terminam a vida como supernovas, gerando assim material, e energia que é responsável pela formação de novas estrelas.

Essa pesquisa estudou cerca de 3 milhões de estrelas, cobrindo uma área de mais de 60 mil anos-luz quadrados.

O ESO, com o VLT e muitos outros instrumentos e grupos de pesquisa como eu venho trazendo aqui estão dispostos a entender cada vez mais a nossa galáxia.

Esse estudo fez parte do programa GALACTINUCLEOUS que tem como objetivo, como o próprio nome já diz, estudar o núcleo da Via Láctea.

Com o VLT, ALMA no ESO, com o MeerKAT na África do Sul, e o SKA na Austrália e África do Sul, logo teremos uma imagem completo do centro galáctico e de toda a sua complexidade.

Fonte:

https://www.eso.org/public/brazil/images/comparisons/eso1920a/

https://www.eso.org/public/archives/releases/sciencepapers/eso1920/eso1920a.pdf

#MilkWay #Supernovae #SpaceToday

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Error validating access token: The session has been invalidated because the user changed their password or Facebook has changed the session for security reasons.