image_2881_1-Solitary-Supernovae

Telescópio Espacial Hubble Confirma a Existência de Duas Supernovas Solitárias

Space Today
6 jun 2015

Users who have LIKED this post:

  • avatar

image_2881_1-Solitary-Supernovae

Novas observações feitas com a Advanced Camera for Surveys do Telescópio Espacial Hubble, confirmaram que duas supernovas do Tipo Ia descobertas seis anos atrás explodiram no espaço intergaláctico, tendo sido ejetadas de suas galáxias hospedeiras milhões de anos antes.

As observações confirmam a descoberta feita em 2009 de duas supernovas solitárias por astrônomos usando o Telescópio Canadá-França-Havaí (CFHT).

A equipe foi incapaz de identificar a galáxia apagada que abrigava essas supernovas. Mas a sensibilidade e a resolução das imagens da Advanced Camera for Surveys do Hubble são dez vezes melhor e mais clara e mostram que as supernovas explodiram no espaço intergaláctico – longe de qualquer galáxia – dentro dos aglomerados galácticos Abell 1650 e Abell 85.

“Elas pertencem a uma população de estrelas solitárias que existem na maioria se não em todos os aglomerados de galáxias”, disse a Dra. Melissa Graham da Universidade da Califórnia, Berkeley.

Enquanto que as estrelas e as supernovas normalmente residem nas galáxias, as galáxias situadas em imensos aglomerados galácticos experimentam forças gravitacionais que arrancam cerca de 15% das estrelas.

image_2881_2e-Solitary-Supernovae

Os aglomerados têm muito massa, embora, as estrelas arrancadas permaneçam gravitacionalmente unidas dentro das regiões pouco povoadas intraaglomerados.

Uma vez dispersas, essas estrelas solitárias são muito apagadas, de modo que só podem ser observadas quando elas explodem em supernovas.

“Nós temos a melhor evidência de que as estrelas intraglomerados verdadeiramente explodem como supernovas do Tipo Ia”, disse a Dra. Graham, que é a primeira autora de um artigo aceito para publicação no Astrophysical Journal, “e confirmamos que as supernovas solitárias podem ser usadas para traçar a população de estrelas intraglomerados, o que é importante para se estender essa técnica para aglomerados mais distantes”.

“Qualquer planeta ao redor dessas estrela intraglomerados seriam sem dúvida alguma obliterados pelas explosões, mas eles teriam um céu noturno quase sem estrelas brilhantes. A densidade de estrelas nas regiões intraglomerados é de cerca de um milionésimo daquela que nós observamos da Terra”, disse ela.

De acordo com os astrônomos, a maior parte dos modelos teóricos para as supernovas do Tipo Ia envolvem um sistema estelar binário, assim as estrelas que explodem teriam uma companheira durante suas vidas.

“Essa não é uma história de amor. A estrela companheira seria uma anã branca com massa menor, que eventualmente chegou muito perto e foi tragicamente fragmentada em um anel que foi canibalizado pela estrela primária, ou, uma estrela regular de onde a anã branca primária roubou partes do gás de suas camadas mais externas”, disse ela.

“De qualquer maneira, essa transferência de material fez com que a estrela primária torna-se instavelmente massiva e explodisse como uma supernova do Tipo Ia”.

Fonte:

http://www.sci-news.com/astronomy/science-solitary-supernovae-02881.html

alma_modificado_rodape105

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on Tumblr

Comentários