Rede Caótica de Filamentos em Região de Formação Estelar na Via Láctea

Space Today
26 mar 2018

Por Ned Oliveira
O plano da Via Láctea é rico em regiões de formação estelar, como a que é retratada nesta imagem impressionante feita pelo observatório espacial Herschel da ESA, em infravermelho. Esta região revela uma complexa rede de filamentos de gás e bolhas escuras intercaladas por pontos brilhantes onde novas estrelas ganham vida.

As regiões mais frias, que emitem luz em comprimentos de onda maiores, são exibidas em uma cor vermelho acastanhado. Áreas mais quentes, onde a formação de estrelas é mais intensa, brilham em tons de azul e branco. Algumas áreas são particularmente brilhantes, sugerindo que um número de estrelas massivas e luminosas estão se formando lá.

Particularmente impressionante é a teia caótica de filamentos de gás que vemos nesta cena. Os astrônomos acreditam que existe uma ligação entre a formação de estrelas e as estruturas filamentares no meio interestelar.

Nos cordões mais densos, o gás que forma os filamentos torna-se instável e forma aglomerados de material unidos pela gravidade. Se denso o suficiente, essas bolhas de gás acabam se tornando estrelas recém-nascidas.

As observações de Herschel mostraram que a complexidade filamentar é onipresente no plano de nossa galáxia, de alguns a centenas de anos-luz.

Nas nuvens de formação de estrelas, a cerca de 1500 anos-luz do Sol, esses filamentos parecem ter aproximadamente a mesma largura, cerca de um terço de um ano-luz.

Isto sugere um mecanismo físico comum em sua origem, possivelmente ligado à natureza turbulenta das nuvens de gás interestelar .

A região de formação de estrelas nesta imagem, centrada em torno de –70º de longitude em coordenadas galácticas, está localizada no bairro cósmico Carina, lar da gloriosa Nebulosa Carina. Localizada a cerca de 7500 anos-luz de distância, Carina é uma das maiores nuvens de gás e poeira no plano da Via Láctea. Abriga a famosa Eta Carinae, um dos sistemas estelares mais luminosos e massivos da nossa galáxia.

O Herschel, que operou de 2009 a 2013, era um grande telescópio espacial que observava as partes do espectro infravermelho distante e submilimétrico.

Essa faixa espectral é ideal para observar o brilho da poeira fria nas regiões onde as estrelas se formam.

Como parte do Hi-GAL, o Herschel Infrared Galactic Plane Survey, o observatório pesquisou o plano de nossa galáxia, explorando as regiões de formação estelar da Via Láctea com detalhes sem precedentes.

Esta imagem, um produto da Hi-GAL, combina observações em três diferentes comprimentos de onda: 70 microns (azul), 160 microns (verde) e 250 microns (vermelho).

Créditos da imagem: ESA / Herschel / PACS, Projeto SPIRE / Hi-GAL.Confirmação: UNIMAP / L. Piazzo, La Sapienza – Università di Roma; E. Schisano / G. Li Causi, IAPS / INAF, Itália

Fonte: https://www.esa.int/spaceinimages/Images/2018/03/Chaotic_web_of_filaments_in_a_Milky_Way_stellar_nursery

Comentários

© 2014 Space Today | Todos os direitos reservados.

X
Conheça a Loja do SpaceToday!