Pesquisadores Determinam a Composição Química de Duas Estrelas Extremamente Pobres Em Metal

Space Today
16 maio 2018

Um grupo de cientistas liderados por Avrajit Bandyopadhyay, do Instituto Indiano de Astrofísica, em Bangalore, realizou uma análise química de duas estrelas brilhantes e extremamente pobres em metais. Os resultados da análise, fornecem informações importantes sobre a natureza dessas estrelas e podem ajudar os astrônomos a entender melhor sua origem.

As estrelas que são o assunto do estudo são designadas de SDSS J082625.70 + 612515.10 e SDSS J134144.60 + 474128.90. As duas estrelas foram identificadas pelo pré-levantamento espectroscópico do SDSS-MARVELS como extremamente pobres em metais, com razões de abundância de ferro para hidrogênio de –3,1 e –3,2 respectivamente.

A equipe de Bandyopadhyay observou ambas as estrelas com o Espectrógrafo de Echelle de Hanle (HESP) no telescópio Himalayan Chandra (HCT) de 2,3 m no Observatório Astronômico Indiano (IAO) na Índia. A campanha de observação, realizada entre novembro de 2015 e novembro de 2016, permitiu aos astrônomos obter informações essenciais sobre a composição química dos dois objetos.

“Neste trabalho, os primeiros resultados científicos usando HESP, apresentamos uma análise detalhada de suas abundâncias químicas”, diz o documento.

De acordo com o estudo, o SDSS J082625.70 + 612515.10 (SDSS J0826 + 6125, abreviado), com uma magnitude aparente de 11,44 e uma temperatura efetiva de 4.300 K, tem uma composição química geralmente consistente com estrelas do halo de nossa Via Láctea. Acontece que esta estrela é reforçada com carbono e exibe depleção em nitrogênio, o que pode ser devido à mistura interna dentro da estrela. Além disso, os pesquisadores não encontraram lítio nos espectros da estrela.

Quando se trata de elementos leves, o SDSS J0826 + 6125 tem baixo teor de sódio e alumínio, mas é abundante em magnésio. Além disso, em relação à abundância de elementos de pico de ferro da estrela, os pesquisadores descobriram que ela parece ser relativamente rica em cobalto, mas pobre em cromo, manganês e níquel.

A SDSS J134144.60 + 474128.90 (ou SDSS J1341 + 4741) tem uma magnitude aparente de 12,38 e uma temperatura efetiva de 5.450 K. Os astrônomos descobriram que essa estrela é enriquecida em carbono e tem uma baixa abundância de lítio. Além disso, exibe baixos teores de sódio e alumínio, juntamente com uma abundância relativamente alta de magnésio. As observações também detectaram uma abundância excessiva de cromo e níquel.

De acordo com os autores do artigo, a análise das abundâncias elementares para o SDSS J1341 + 4741 sugere que é a chamada CEMP-no star – uma estrela pobre em metal, enriquecida em carbono, sem melhoria no processo-r ou nos elementos do processo-s. .

“Em uma dada metalicidade, as CEMP-no star parecem ter maiores abundâncias de Cr. Isso pode fornecer pistas importantes para a natureza dos progenitores que contribuíram para a origem do carbono”, escreveram os pesquisadores sobre o SDSS J1341 + 4741.

Os astrônomos também notaram que variações de velocidade radial do SDSS J0826 + 6125 e do SDSS J1341 + 4741 sugerem fortemente que ambas as estrelas são membros de sistemas binários.

“Os espectros foram obtidos ao longo de um período de 6 a 24 meses e indicam que ambas as estrelas podem ser membros de sistemas binários”, concluíram os pesquisadores.

Fonte:

https://phys.org/news/2018-05-chemical-composition-extremely-metal-poor-stars.html

Comentários

© 2014 Space Today | Todos os direitos reservados.