O Aglomerado de Galáxias da Fornalha – Space today TV Ep.195

Space Today
13 abr 2016

Users who have LIKED this post:

  • avatar

eso1612a

Esta nova imagem, obtida pelo Telescópio de Rastreio do VLT (VST) instalado no Observatório do Paranal do ESO no Chile, mostra a concentração de galáxias conhecida por Aglomerado da Fornalha, que se situa na constelação da Fornalha no hemisfério sul. O aglomerado comporta uma quantidade de galáxias de todas as formas e tamanhos, algumas das quais escondem alguns segredos.

Finding Chart for the Fornax Galaxy Cluster

Galáxias parecem ser “sociais”, gostando de se juntar em grupos grandes, a que chamamos aglomerados. Na realidade é a gravidade que mantém as galáxias unidas num aglomerado, como se de uma única identidade se tratassem, com a força gravitacional a ser exercida tanto por grandes quantidades de matéria escura invisível como por galáxias que podemos ver. Os aglomerados contêm entre cerca de 100 a 1000 galáxias e podem ter dimensões que vão desde os 5 aos 30 milhões de anos-luz.

The location of the Fornax Galaxy Cluster

artigo_1399_ponte_estrelas_02

Os aglomerados de galáxias não têm formas claramente definidas, por isso é difícil determinar exatamente quando começam e quando acabam. No entanto, os astrônomos estimam que o centro do aglomerado da Fornalha se encontra numa região situada a 65 milhões de anos-luz de distância da Terra. O que sabemos com mais precisão é que este aglomerado contém quase 60 galáxias grandes e um número semelhante de galáxias anãs menores. Os aglomerados de galáxias como este são bastante comuns no Universo e ilustram bem a influência poderosa que a gravidade exerce ao longo de grandes distâncias, conseguindo juntar as massas enormes de galáxias individuais numa só região.

Wide-field view of the Fornax Galaxy Cluster

artigo_1399_ponte_estrelas_01

No centro deste aglomerado, no meio dos três glóbulos difusos brilhantes que podem ser vistos à esquerda da imagem, encontra-se uma galáxia cD — uma canibal galática. As galáxias cD como esta, chamada NGC 1399, parecem-se comgaláxias elípticas mas são maiores e possuem envelopes extensos e tênues [1]. Isto acontece porque se formaram ao “engolir” galáxias menores, trazidas para o centro do aglomerado pela força da gravidade [2].

detalhe_1399

OmegaCAM

Há na realidade evidências deste processo estar ocorrendo bem na nossa frente. Um trabalho recente feito por uma equipe de astrônomos liderada por Enrichetta Iodice (INAF – Osservatorio di Capodimonte, Nápoles, Itália) [3], que fez uso de dados do VST do ESO, revelou uma ponte de luz muito tênue entre NGC 1399 e a galáxia menor que se encontra à sua direita, NGC 1387. Esta ponte, que não tinha sido ainda observada (e é fraca demais para poder ser vista na imagem), é ligeiramente mais azul que qualquer das galáxias, indicando que é constituída por estrelas formadas a partir de gás retirado de NGC 1387 pela atração gravitacional de NGC 1399. Apesar de haver, de modo geral, poucas evidências de interação no aglomerado da Fornalha, parece que pelo menos NGC 1399 ainda continua a “alimentar-se” das suas vizinhas.

detalhe_1365

The VLT Survey Telescope (VST)

Em baixo à direita na imagem podemos ver uma enorme galáxia espiral barrada, NGC 1365, que se trata de um belo exemplar de galáxias deste tipo, com uma barra proeminente passando através do núcleo central e os braços espirais saindo das pontas da barra. Refletindo a natureza das galáxias de aglomerado, NGC 1365 também é mais do que parece. Esta galáxia foi classificada como uma galáxia do tipo Seyfert, possuindo um núcleo ativo brilhante que contém um buraco negro supermassivo no seu interior.

Esta imagem foi obtida com o Telescópio de Rastreio do VLT (VST) montado no Observatório do Paranal do ESO no Chile. Com 2,6 metros de diâmetro, o VST não é de modo nenhum um telescópio grande pelos padrões atuais, no entanto foi concebido especificamente para fazer rastreios do céu a larga escala. O que o torna especial é o seu enorme campo  de visão corrigido e a sua câmera de 256 megapixels, a OmegaCAM, que foi especialmente desenvolvida para mapear o céu. Com esta câmera, o VST consegue produzir imagens profundas de grandes áreas no céu muito rapidamente, deixando a exploração dos detalhes de objetos individuais para telescópios realmente grandes, como o Very Large Telescope do ESO (VLT).

The fornax deep_survey_with_vst_i_the_extended_and_diffuse_stellar_halo_of_ngc1399_out_to_192_kpc from Sérgio Sacani

Fonte:

http://www.eso.org/public/brazil/news/eso1612/

alma_modificado_rodape105

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on Tumblr

Comentários

  • Isaac Mendonça

    Ainda não uso nem estudei mapas estelares. No mapa acima, as letras gregas são devido a ângulos e outras referências ou são usados para citar tipos de galáxias ou algo do gênero?

  • Isaac Mendonça

    Além do tema interessantíssimo, da representação da curvatura do espaço, gravidade, em um lugar tão longínquo da nossa periferia cósmica, ficou bem incrementada a postagem, com fotos do aparelho, imagens em várias frequências, o mapa, ainda acesso ao vídeo bem destacado. Ficou muito robusta a postagem, que já sempre teve um layout bem diferenciado e show, além do conteúdo, que é o mais importante!