NGC 2346 – As Delicadas Asas de Uma Borboleta Cósmica

Space Today
17 jul 2015

Users who have LIKED this post:

  • avatar

H2-10brot

Os cientistas da NOAO, usando o telescópio de 8 metros do Observatório Gemini, no Chile, obtiveram a imagem de mais alta resolução já obtida da nebulosa planetária NGC 2346. Com a forma de uma borboleta, ou de uma ampulheta, mas conhecida cientificamente como uma nebulosa planetária bipolar, esse objeto está a uma distância de 2300 anos-luz do Sol na constelação de Monoceros.

As novas observações dessa nebulosa gasosa, mostrada nessa figura, resolve detalhes comparáveis em tamanho com o nosso Sistema Solar. A equipe detectou nós previamente não resolvidos e filamentos de gás hidrogênio molecular – detalhes que nenhum outro telescópio no solo, ou no espaço, nem mesmo o Telescópio Espacial Hubbe, foram capazes de resolver.

O hidrogênio molecular nos lobos bicolores da NGC 2346 foi detectado a quase 30 anos atrás, embora observações prévias sugeriam somente um torus suave. Os nós gasosos provavelmente representam um fenômeno comum que ocorre quando dois fluidos (ou gases) de diferentes densidades entram em contato, e o fluido mais leve está empurrando fluido mais pesado. Isso é facilmente visto por qualquer um que já observou um óleo colorido num copo de água.

Oa autores construíram modelos computacionais para entender como os gases interagem: a animação mostra como o gás se desenvolverá no tempo. Como primeiro autor, Arturo Manchado disse, “Nessa animação nós mostramos o resultado do modelo numa escala de tempo de 9000 anos. A cor azul corresponde a emissão do gás hidrogênio molecular. O modelo mostra um toroide inicial de gás frio no equador. Uma vez que a concha varrida é altamente fragmentada, o toroide não é mais visível e somente os grandes aglomerados serão vistos”.

A NGC 2346 é uma estrela registrada nas fases finais de sua vida. Ela começou sua vida como um sistema binário, sendo cada uma das estrelas tendo uma massa equivalente ao dobro da massa do Sol e ambas rotacionando ao redor de um centro de gravidade comum. A mais massiva das duas estrelas queimou seu combustível mais rapidamente do que sua companheira de massa menor, expandindo como uma gigante vermelha, e agora está expulsando suas camadas externas para se tornar uma estrela anã branca, com uma massa atual entre 0.3 e 0.7 vezes a massa do Sol. A nebulosa bipolar, ou a forma de borboleta dessa planetária, tem provavelmente sido esculpida pelo par estelar, embora isso ainda esteja sendo estudado. Com um período orbital de 16 dias, as duas estrelas estão separadas por uma distância equivalente à distância entre o Sol e Mercúrio. O material fluindo da estrela mais massiva durante a vida do par faz com que seja difícil calcular a massa inicial da estrela.

As observações foram feitas com o novo sistema infravermelho chamado Adaptive Optics Imager no telescópio Gemini, durante a fase inicial de teste do instrumento. A óptica adaptativa é uma técnica que permite que sejam feitas correções em tempo real das distorções de uma imagem astronômica causada pela atmosfera da Terra.

animation

Fonte:

http://www.noao.edu/news/2015/pr1503.php

alma_modificado_rodape105

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on Tumblr

Comentários

  • Scott Carey

    Olha o concordância nominal, belo! “As novas observações dessa nebulosa gasosa, mostrada nessa figura, resolveM detalhes…”

    Culpa do estagiário a quem foi incubido traduzir/escrever o artigo,né? 🙂