image_3428e-GJ-1132b

Exoplaneta GJ 1132b Pode Ter Uma Atmosfera Rica Em Oxigênio

Space Today
20 ago 2016

Users who have LIKED this post:

  • avatar

image_3428e-GJ-1132b

O GJ 1132b, um exoplaenta com uma massa entre 1.2 e 1.6 vezes a massa da Terra, intrigou os astrônomos quando ele foi descoberto em 2015.

Também conhecido como Gliese 1132b, o planeta orbita uma estrela do tipo anã vermelha, a GJ 1132, que tem somente metade do tamanho do nosso Sol, e é mais fria e muito mais apagada que o Sol, emitindo somente 1/200 da sua luz.

Localizado a 39 anos-luz de distância da Terra, o GJ 1132b, orbita a sua estrela a cada 1.6 dias, a uma distância de 1.4 milhão de milhas.

O planeta pode ter uma atmosfera apesar de estar sendo cozido a uma temperatura de 232 graus Celsius. Mas essa atmosfera seria espessa e densa, ou fina e filamentada?

Uma nova pesquisa, liderada pela astrônoma Laura Schaefer do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics, sugere que a última opção é a mais provável.

A Dra. Schaefer e seus colegas examinaram a questão do que teria acontecido com o GJ 1132b com o passar do tempo se ele tivesse começado com uma atmosfera rica em água.

Os exoplanetas que orbitam suas estrelas a uma pequena distância são inundados com luz UV, que quebra as moléculas de água em hidrogênio e oxigênio, ambas que são então perdidas para o espaço. Contudo, como o hidrogênio é mais leve ele escapa mais rapidamente, enquanto que o oxigênio fica um pouco para trás.

“Em planetas mais frios, o oxigênio poderia ser um sinal de vida alienígena e de habitabilidade”, disse a Dra. Schaefer.

“Mas num planeta quente como o GJ 1132b, isso significa algo totalmente oposto, um planeta que está sendo cozido e esterelizado”.

Como o vapor de água é um gás do efeito estufa, o GJ 1132b, teria um forte efeito estufa, amplificando o intenso calor já emitido pela estrela. Como resultado, sua superfície poderia se manter derretida por milhões de anos.

Um oceano de magma interagiria com a atmosfera, absorvendo parte do oxigênio, mas quanto? Somente cerca de um décimo, de acordo com o modelo criado pela equipe de pesquisadores. A maior parte do oxigênio restante, se perdeira para o espaço, contudo uma parte poderia ficar.

“Esse planeta pode ser a primeira vez que nós detectamos oxigênio em um planeta rochoso fora do Sistema Solar”, disse o Dr. Robin Wordsworth, do Harvard Paulson School of Engineering and Applied Sciences.

Se qualquer oxigênio ainda estiver no GJ 1132b, a próxima geração de telescópios espaciais será capaz de analisar e identificar.

O modelo de oceano de magma e atmosfera poderia ajudar os astrônomos a resolverem o mistério de como Vênus se desenvolveu com o tempo.

Vênus provavelmente começou parecido com a Terra, em quantidade de água, que teria sido partida pela luz do Sol. Ainda hoje, Vênus mostra alguns sinais de oxigênio. Mas o problema do oxigênio perdido continua intrigando os astrônomos.

Predictions of the_atmospheric_composition_of_gj_1132_b from Sérgio Sacani

Fonte:

http://www.sci-news.com/astronomy/gj-1132b-oxygen-rich-atmosphere-04118.html

alma_modificado_rodape105

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on Tumblr

Comentários