Equipe da New Horizons Seleciona Potencial Alvo Para Continuação da Missão – O 2014 MU69

Space Today
28 ago 2015

Users who have LIKED this post:

  • avatar

nh-flyby

A NASA selecionou o potencial, próximo destino para a missão New Horizons, depois de ter realizado o histórico sobrevoo do sistema de Plutão. O destino é o pequeno Objeto de Cinturão de Kuiper (KBO) conhecido como 2014 MU69, que tem sua órbita a quase um bilhão de milhas além de Plutão.

Esse remoto KBO foi um dos dois identificados como potenciais destinos e o recomendado pela equipe da New Horizons. Embora a NASA tenha selecionado o 2014 MU69 como alvo, como parte do seu processo normal de revisão, a agência conduzirá um acesso mais detalhado, antes de aprovar de maneira oficial a extensão da missão para conduzir uma ciência adicional.

“Mesmo enquanto a sonda New Horizons acelera para longe de Plutão para dentro do Cinturão de Kuiper, e os dados do encontro com esse novo mundo estão sendo mandados para a Terra, nós estamos olhando o próximo destino desse intrépido explorador”, disse John Grunsfeld, astronauta, e chefe do Science Mission Directorate da NASA, na sede da agência em Washington. “Enquanto as discussões se aprovaremos ou não essa extensão de missão está acontecendo num contexto do portfólio da ciência planetária, nós esperamos que ela seja bem menos cara do que a missão primária, pelo fato de estar fornecendo nova e animadora ciência”.

Como toda a missão da NASA que termina o seu objetivo principal, mas busca por mais exploração, a equipe da New Horizons, precisa escrever uma proposta para a agência para a missão do KBO. Essa proposta, com o deadline em 2016, será avaliada por uma equipe independente de especialistas antes da NASA decidir sobre ir ou não.

A seleção de um alvo foi importante, a equipe precisa colocar a New Horizons no rumo do objeto esse ano, para que possa realizar qualquer extensão de missão com uma margem boa de combustível. A New Horizons realizará uma série de quatro manobras no final de Outubro de 2015 e início de Novembro de 2015, para ajustar o seu curso na direção do 2014 MU69, apelidado de PT1 (Potential Target 1), que ela espera atingir em 1 de Janeiro de 2019. Qualquer atraso nessas datas pode representar um custo precioso de combustível e pode colocar toda a missão em risco.

“O 2014 MU69 é uma grande escolha pois ele é um tipo antigo de KBO formado onde ele orbita hoje, e que a Decadal Survey deseja sobrevoar”, disse Alan Stern, principal pesquisador da missão New Horizons, do Southwest Research Institute (SwRI) em Boulder, no Colorado. “Além disso, esse KBO custa menos combustível para ser atingido, do que outros candidatos, deixando mais combustível para o sobrevoo, para a execução de uma ciência auxiliar, e reservas maiores de combustível para proteger a sonda contra algum imprevisto”.

A New Horizons foi originalmente desenhada para sobrevoar além do sistema de Plutão e explorar objetos adicionais do Cinturão de Kuiper. A sonda carrega combustível extra para o sobrevoo do KBO, seu sistema de comunicação está desenhado para trabalhar além de Plutão, seu sistema de energia está desenhado para operar por muitos anos ainda, e seus instrumentos científicos foram desenhados para operar em níveis de luz muito menores do que aqueles que serão experimentados durante o sobrevoo do 2014 MU69”.

A 2003 National Academy of Sciences’ Planetary Decadal Survey (New Frontiers in the Solar System), recomendou fortemente que a primeira missão para o Cinturão de Kuiper incluísse sobrevoos a Plutão e a dois KBOs, para que se pudesse amostrar a diversidade de objetos nessa região previamente inexplorada do Sistema Solar. A identificação do PT1, que está numa classe completamente diferente de KBO, do que Plutão, potencialmente permitindo que a New Horizons possa satisfazer seus objetivos.

Porém, encontrar um KBO para ser sobrevoado não foi uma tarefa fácil. Começando com a pesquisa em 2011 e usando os maiores telescópios em Terra, a equipe da New Horizons encontrou algumas dezenas de KBOs, mas nenhum seria possível de ser sobrevoado pela sonda por falta de combustível.

O Hubble, foi então usado em 2014, descobrindo cinco objetos, até a pesquisa afunilar para dois somente, dentro da passagem da New Horizons. Os cientistas estimaram que o PT1 tem somente 45 km de diâmetro, e que é mais de 10 vezes maior e 1000 vezes mais massivo do que os cometas típicos, como o que a Rosetta está orbitando agora, mas somente com 0.5 a 1 por centro do tamanho e cerca de 1/10000 vezes a massa de Plutão. O PT1 é pensado como sendo um dos blocos fundamentais dos planetas anões do Cinturão de Kuiper como Plutão.

Diferente dos asteroides, os KBOs, só são aquecidos pelo Sol e acredita-se que estejam preservados, congelados na região externa do Sistema Solar, desde a formação a cerca de 4.6 bilhões de anos atrás.

“Tem muita coisa que podemos aprender dessas observações próximas feitas pela New Horizons, como o sobrevoo de Plutão tem demonstrado”, disse John Spencer um membro da equipe de ciência da New Horizons, também do SwRI. “Imagens detalhadas e outros dados que a New Horizons poderia obter de um sobrevoo de KBO revolucionará o nosso entendimento sobre o Cinturão de Kuiper e sobre esses objetos”.

A sonda New Horizons está atualmente a 4.9 bilhões de quilômetros da Terra, e só começou a enviar as imagens e os dados gravados na sua memória, do seu encontro histórico com Plutão ocorrido em Julho. A sonda está saudável e operando normalmente.

A New Horizons é parte do New Frontiers Program da NASA, gerenciado pelo Marshall Space Flight Center da NASA em Huntsville, no Alabama. O Johns Hopkins Applied Physics Laboratory em Laurel, Md., desenhou, construiu e opera a sonda New Horizons e gerencia a missão para o Science Mission Directorate da NASA. O SwRI lidera as operações científicas da missão e o planejamento dos encontros.

nh-path

Fonte:

https://www.nasa.gov/feature/nasa-s-new-horizons-team-selects-potential-kuiper-belt-flyby-target

alma_modificado_rodape1051

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on Tumblr

Comentários

  • Cristiano Montenaro

    Engraçado pensar em objetos tão longe, pequenos e assim mesmo estarem sob influência do campo gravitacional do Sol. E o mais interessante do artigo, foi saber que esses objetos podem preservar características da formação do Sistema Solar! Realmente incrível.

  • Pingback: SPACE TODAY()