Astrônomos Encontram uma Galáxia Inalterada Desde o Início do Universo

Space Today
7 jun 2018

 

Por Ned Oliveira

Pesquisadores do Instituto de Astrofísica das Canárias (IAC) confirmam a primeira detecção de uma galáxia relíquia com o Telescópio Espacial Hubble.

Há um cálculo que sugere que apenas uma em mil galáxias massivas é uma relíquia do universo primitivo, conservando intactas as propriedades que tinha quando foi formada há milhares de milhões de anos.

Por essa razão, quando os pesquisadores do Instituto de Astrofísica de Canárias (IAC) e da Universidade de La Laguna (ULL), Michael Beasley e Ignacio Trujillo localizaram essa raridade, usaram o Telescópio Espacial Hubble para observar os aglomerados globulares em torno dela, e assim confirmar o que tinha sido sugerido pelas observações que eles tinham feito com telescópios terrestres.

Aglomerados globulares são grupos de estrelas que orbitam ao redor dos arredores de galáxias e foram formados com as galáxias no nascimento.

Existem dois tipos de populações de aglomerados globulares: os vermelhos, que nascem em galáxias massivas, que são encontrados mais perto de seus centros e têm maior conteúdo de elementos pesados ??do que de hélio, e os azuis, que têm uma fração menor de metais e que são encontrados em torno de galáxias massivas como consequência da absorção de galáxias menores.

A análise desses agrupamentos ajuda a fornecer informações sobre a história das galáxias.

Os resultados da pesquisa publicada hoje na Nature mostraram que a galáxia NGC 1277 possui apenas o aglomerado globular vermelho que se formou junto com ela durante o período de formação. Desde então, permaneceu inalterado.

“Os sistemas de aglomerados globulares são muito sensíveis à história da formação de galáxias”, explica Michael Beasley, o primeiro autor do artigo que também afirma que “esta é a primeira vez que uma galáxia tão massiva foi observada com tão poucos aglomerados globulares azuis”.

A galáxia NGC 1277 é composta por um milhão de milhões de estrelas e seu nome vem de sua entrada no Novo Catálogo Geral de Nebulosas e Aglomerados de Estrelas.

É na zona central do Aglomerado Perseu, a maior concentração de galáxias perto da Via Láctea, e sua proximidade relativa, 70 Mpc (225 milhões de anos luz) torna o objeto ideal para analisar as propriedades de uma galáxia que permaneceu essencialmente inalterada desde os primeiros dias do universo.

“A galáxia NGC 1277 nos dá uma oportunidade única de estudar uma galáxia“ primitiva ”no universo“ local ”, acrescenta Ignacio Trujillo, outro dos autores do artigo.

Quando esta galáxia nasceu, deu origem a 1.000 estrelas por ano, enquanto, para comparação, a Via Láctea está formando apenas uma estrela por ano.

A razão pela qual esses pesquisadores pensam que essa galáxia massiva manteve sua forma e composição originais inalteradas durante todo esse tempo é porque se formou como um satélite para a galáxia central do aglomerado Perseu, que absorveu qualquer material que pudesse ter caído sobre a NGC 1277 e fez com que evoluísse de forma diferente. Ela orbita a galáxia central agora, a uma velocidade de 1.000 quilômetros por segundo.

Os autores planejam pedir mais tempo com o Telescópio Espacial Hubble e com seu sucessor, o Telescópio Espacial James Webb, para observar os aglomerados globulares de outras galáxias relíquia.

Créditos da imagem: Telescópio Espacial Hubble

Fonte: http://www.iac.es/divulgacion.php?op1=16&id=1358&lang=en

Comentários

© 2014 Space Today | Todos os direitos reservados.