1.18770_10Nov

Astrônomos Descobrem O Objeto Mais Distante do Sistema Solar

Space Today
17 nov 2015

Users who have LIKED this post:

  • avatar

sn-solarsystemobject

Astrônomos registraram o objeto mais distante já visto no Sistema Solar: um mundo frígido que atualmente localiza-se a 103 Unidades Astronômicas do Sol, ou seja, 103 vezes a distância da Terra ao Sol. Ele quebrou o antigo recorde do planeta anão Eris, que foi visto a uma distância de 97 Unidades Astronômicas.

Scott Sheppard, um astrônomo no Carnigie Institution for Science em Washington, DC, reportou a descoberta do objeto no dia 10 de Novembro de 2015 durante o Congresso da Divisão para Ciências Planetárias da Sociedade Astronômica Americana, que aconteceu em National Harbor, Maryland.

O objeto localiza-se além da borda do Cinturão de Kuiper (lar de Eris e Plutão), e nas franjas internas da próxima parte do Sistema Solar, a Nuvem de Oort. Sua extrema posição, sugere que o corpo poderia ter uma grande significância científica. Objetos nesse reino primordial viajam por órbitas que permanecem sem serem perturbadas por bilhões de anos.

Mas os astrônomos não rastrearam o objeto por tempo suficiente ainda para conhecer sua órbita completa, e existe uma chance que ele possa chegar mais perto do Sol do que sua atual distância de 103 Unidades Astronômicas. Isso seria menos interessante para os astrônomos.

“Não tem razão para ficarmos totalmente animados ainda”, disse Michael Brown, um cientista planetário no Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena.

Mesmo assim, a descoberta dá uma rara pista sobre as franjas do Sistema Solar. Somente dois mundos são conhecidos na parte interna da Nuvem de Oort: um objeto chamado de Sedna, descoberto por Brown e seus colegas, e outros conhecido como 2012 VP113, popularmente chamado de Biden e identificado por Sheppard e Chadwick Trujilo, do Observatório Gemini em Hilo, no Havaí.

1.18770_10Nov

Sedna nunca chegou mais perto do Sol do que 76 Unidades Astronômicas, já o VP113 teve sua maior aproximação do Sol a 80 Unidades Astronômicas. Se as 103 Unidades Astronômicas for o mais perto do Sol que o novo objeto pode chegar, ele se juntará aos outros dois objetos como sendo residente da fascinante região interna da Nuvem de Oort.

Mas se o objeto se mover para mais perto do Sol, cruzando o Cinturão de Kuiper a cerca de 50 Unidades Astronômicas, ele se juntará a muitos outros objetos mais mundanos do Cinturão de Kuiper, cujas órbitas são particularmente esticadas devido à influência gravitacional de Netuno.

Corpos na região interna da Nuvem de Oort, são mais intrigantes do que aqueles localizados no Cinturão de Kuiper pois eles estão muito longe de Netuno, e assim o planeta gigante gasoso não tem influência sobre eles, disse Sheppard. Devido a não sofrer perturbações, suas órbitas provavelmente refletem as condições primordiais do Sistema Solar, que se formou a mais de 4.5 bilhões de anos atrás – fazendo deles alvos tentadores para os astrônomos.

Sheppard e Trujilo descobriram o objeto usando o Telescópio Subaru no topo do Mauna Kea no Havaí. O corpo provavelmente cerca de 800 quilômetros de diâmetro. Os pesquisadores planejam observar o objeto novamente usando o Magellan Telescope no Chile, e então em um ano, calcular sua órbita completa e aprender e descobrir se ele é mesmo um morador da Nuvem de Oort interna.

Fonte:

http://www.nature.com/news/astronomers-spy-most-distant-solar-system-object-ever-1.18770

alma_modificado_rodape1051

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on Tumblr

Comentários

  • Cristiano Montenaro

    Cara, eu sou fascinado por objetos situados a essa distância toda, como os que se encontram na Nuvem de Oort. Saber da existência da Nuvem de Oort foi incrível pra mim, eu já ficava maluco com a distância de Plutão… E o mais legal era imaginar como seria receber a luz do Sol, andando sobre a superfície de um astro a essa distância toda. Me lembra uma época da minha infância onde a minha imaginação ia tão longe, inspirada pelo anime Patrulha Estelar, que passava na extinta TV Manchete.

  • Alexandre Medina

    São os fósseis do Sistema Solar…