stephans-quintet_2048x1280

Astrônomos Começam A Melhorar o Sistema De Classificação das Galáxias

Space Today
15 set 2016

stephans-quintet_2048x1280

Numa pesquisa recente, cientistas australianos deram um passo crítico na direção de entender por que diferentes tipos de galáxias existem no universo.

A pesquisa, foi possível graças à tecnologia de ponta do Australian Astronomical Observatory, e significa que os astrônomos agora podem classificar as galáxias de acordo com suas propriedades físicas, ao invés de somente usar a interpretação humana baseada na aparência.

Por mais de 200 anos, os telescópios são capazes de observar as galáxias além da nossa, a Via Láctea.

No começo poucas eram visíveis, mas à medida que os telescópios ficaram mais poderosos, mais e mais galáxias foram descobertas, fazendo com que isso fosse crucial para que os astrônomos pudessem agrupar os diferentes tipos de galáxias.

three-point-nine-metre_aat_2048x1365

Em 1926, o famoso astrônomo norte-americano Edwin Hubble, refinou o sistema que classificava as galáxias nas seguintes categorias: espirais, elípticas, lenticulares e irregulares. Esse sistema, conhecido como sequência de Hubble, é até hoje a maneira mais comum de se classificar as galáxias.

Apesar do seu sucesso, o critério no qual o esquema de classificação de Hubble é baseado, é subjetivo, e somente de forma indireta está relacionado com as propriedades físicas das galáxias. Isso tem prejudicado de maneira significante a tentativa de se identificar um caminho evolucionário para os diferentes tipos de galáxias, à medida que elas mudam vagarosamente no decorrer dos bilhões de anos.

O Dr. Luca Cortese, da University of Western Australia, nó do International Centre for Radio Astronomy Research, o ICRAR, disse que as instalações astronômicas de primeira classe, estão agora produzindo pesquisas que consideram centenas de milhares de galáxias ao invés das centenas de galáxias usadas na época do Hubble.

galaxy_classification_sami_2048x1536

“Nós realmente precisamos de uma maneira de se classificar as galáxias consistentemente, usando instrumentos que medem as propriedades físicas, ao invés de consumirmos tempo em técnicas subjetivas que envolvem a interpretação humana”, disse ele.

Num estudo liderado pelo Dr. Cortese, uma equipe de astrônomos usou uma técnica conhecida como Integral Field Spectroscopy, para quantificar como o gás e as estrelas se movem dentro das galáxias e assim reinterpretaram a sequência de Hubble como um sistema de classificação bidimensional baseado nas propriedades físicas.

“Graças ao desenvolvimento de novas tecnologias, nós podemos mapear em grande detalhe a distribuição e a velocidade dos diferentes componentes das galáxias. Então usando essa informação nós somos capazes de determinar o momento angular geral de uma galáxia, que é a principal característica física que afeta como a galáxia se desenvolverá no decorrer de bilhões de anos. De forma impressionante, os tipos de galáxias descritos por Hubble parecem ser determinados por duas propriedades primárias das galáxias, massa e momento angular. Isso nos forneceu uma interpretação física para a bem conhecida sequência de Hubble, removendo a subjetividade e o viés da classificação visual baseada na percepção humana”.

amanda_bauer_sami_1191x1075

O novo estudo envolveu 488 galáxias observadas com o Anglo Australian Telescope de 3.9 metros no New South Wales e um instrumento acoplado ao telescópio, chamado de Sydney-AAO Multi-object Integral-field spectrograph, ou SAMI.

O Projeto SAMI, liderado pela University of Sydney e o ARC Centre of Excellence for All-sky Astrophysics, o CAASTRO, tem com objetivo criar uma das primeiras pesquisas em grande escala das galáxias medindo a velocidade e a distribuição do gás e das estrelas das diferentes idades nos milhares de sistemas.

“A Austrália tem muita experiência com esse tipo de astronomia, e realmente está na linha de frente do que está sendo feito”, disse o Professor Warrick Couch, Diretor do Australian Astronomical Observatory e pesquisador parceiro do CAASTRO.

“Para o instrumento SAMI, nós tivemos sucesso colocando 61 fibras ópticas numa distância de menos da metade da largura de um fio de cabelo humano. Esse não é um trabalho pequeno e esse tipo de trabalho sendo possível está atraindo interesse de astrônomos e observatórios de todo o mundo”.

Melhorias futuras do instrumento estão planejadas e permitirão que os astrônomos possam obter mapas ainda mais nítidos das galáxias e entender ainda melhor os processos físicos que deram forma à sequência de Hubble.

“À medida que nos tornarmos melhores em fazer isso e os instrumentos ficarem atualizados, nós devemos ser capazes de observar os gatilhos físicos que fizeram um tipo de galáxia se desenvolver em outro, isso é realmente surpreendente”, disse o Dr. Cortese.

Fonte:

http://astronomynow.com/2016/09/14/astronomers-shed-light-on-different-galaxy-types/

alma_modificado_rodape105

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on Tumblr

Comentários