​Oceano Aquecido em Encélado por Bilhões de Anos

Space Today
6 nov 2017

Users who have LIKED this post:

  • avatar

O estudo é o primeiro a explicar várias características-chave de Encélado, observadas pela Cassini: oceano global, aquecimento interno, gelo mais fino no pólo sul e atividade hidrotermal. 
Muito calor para impulsar a atividade hidrotermal dentro da lua oceânica de Saturno Encélado por bilhões de anos poderia ser gerado através de fricção de maré se a lua tiver um núcleo altamente poroso.

Um artigo publicado na Nature Astronomy hoje 06/11/2017 é o primeiro conceito que explica as principais características de Encélado de 500 km de diâmetro observado pela sonda espacial Cassini ao longo de sua missão, que teve seu grand finale em setembro .

Isso inclui um oceano global salgado abaixo de um reservatório de gelo com uma espessura média de 20-25 km, diminuindo para apenas 1-5 km sobre a região polar sul. 

Jatos de vapor de água e grãos de gelo são lançados através de fissuras no gelo. 

A composição do material ejetado medido pela Cassini incluiu sais e poeira de sílica, sugerindo que eles se formam através de água quente – pelo menos 90ºC – interagindo com rocha no núcleo poroso.

Essas observações exigem uma enorme fonte de calor, cerca de 100 vezes mais do que se espera que seja gerada pela decadência natural de elementos radioativos em rochas em seu núcleo, além de um meio de focar a atividade no pólo sul.

Especula-se que o efeito de maré provocado por Saturno seja a origem das erupções e deforme a concha gelada pelo movimento de empurrar-puxar, enquanto a lua segue sua trajetória elíptica em torno do planeta gigante.

Mas a energia produzida pela fricção das marés no gelo, por si só, seria muito fraca para compensar a perda de calor vista do oceano – o globo congelaria dentro de 30 milhões de anos.

Como Cassini mostrou, a lua ainda é extremamente ativa, sugerindo que algo está acontecendo.

Nas novas simulações, o núcleo é feito de rocha porosa não consolidada, facilmente deformável, que a água pode permear facilmente. Como tal, a água líquida fresca do oceano pode infiltrar-se no núcleo e gradualmente aquecer através de fricção de maré entre fragmentos de rocha deslizantes, à medida que fica mais profundo.

A água circula no núcleo e depois aumenta porque é mais quente do que o ambiente. Este processo finalmente transfere o calor para a base do oceano em plumas estreitas, onde ele interage fortemente com as rochas. No fundo do mar, estas plumas se abrem para o oceano mais frio.

As plumas não resultam só em forte derretimento da crosta de gelo acima, mas também podem transportar pequenas partículas do fundo do mar, durante semanas a meses, que são lançadas no espaço pelos jatos gelados.

Além disso, os modelos de computadores dos autores mostram que a maior parte da água deve ser expulsa das regiões polares da lua, com um processo desenfreado que leva a pontos quentes em áreas localizadas e, portanto, uma camada de gelo mais fina diretamente acima, consistente com o que foi inferido da Cassini.

Os cientistas dizem que as eficientes interações rocha-água em um núcleo poroso massageado por fricção das marés podem gerar até 30 GW de calor em dezenas de milhões de bilhões de anos.

Fontes e Créditos: NASA / ESA / JPL-Caltech / Space Science Institute

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on Tumblr

Comentários

© 2014 Space Today | Todos os direitos reservados.